.

.

.

.

domingo, 2 de junho de 2013

NÃO JULGUEIS

Como é possível não julgar? O Mateus estava delirando quando escreveu esta babaquice. É o tipo do mandamento que não pode nunca ser cumprido. O que mais se faz no planeta é julgar. É o maior esporte coletivo. Julga-se o tempo todo e se é julgado diuturnamente. É assim que funciona. Julgar é inevitável. Claro que muitas vezes julgamos mal, mas o ato de julgar é como respirar. Todos julgam. Acho que só o Mateus não julgava. E o pior é que em pleno século vinte e um se dá trela pra Mateus. É mole?! Ao bater o olho em alguém imediatamente você emite um juízo de valor. Imediatamente. Se as pessoas ficam chateadas com o que eu eu digo e escrevo, imaginem se soubessem o que eu penso?
O pior não é julgar, o pior é prejulgar. Neste caso, você emite um juízo de valor sobre alguma coisa que você ouviu dizer. E o que dizem se propaga como uma moléstia altamente contagiosa. Por exemplo, "Português é burro". Você já conheceu algum Português burro? O deplorável é que todas as vezes que você encontrar um Português, você pensar que ele é burro. Isto sim é uma merda. "Crioulo gosta de samba" e sempre que você vir um "afro-descendente"(Politicamente correto, que lindo!) você vai associá-lo ao samba. Isto é que é uma verdadeira bosta. "Mulher é sensível" e você pode estar atribuindo sensibilidade a uma troglodita.
Julgar , tudo bem, prejulgar é que é reprovável.

Nenhum comentário:

Postar um comentário