.

.

.

.

sábado, 10 de agosto de 2013

A MULTIDÃO DE SOLITÁRIOS


Na realidade, esta expressão "multidão de solitários" é uma expressão de Zygmunt Bauman. Estou sempre em contato com essa multidão no meu cotidiano. Observo centenas de pessoas debruçadas sobre os seus celulares se relacionando de forma bizarra com outras pessoas que estão igualmente sós. Há até os que sofrem de um Transtorno Pós-Moderno muito recente chamado FOMO (Fear of Missing Out) ou seja "o medo de perder alguma coisa importante", por isso estão SEMPRE conectados. Um vício tão nefasto quanto qualquer outro. Para quem é gregário, as agruras da solidão só cessam quando há um vínculo afetivo compromissado. Ora, compromisso é tudo o que se evita na "modernidade líquida".
A solidão em casos mais raros, também não existe como dor existencial para quem se elegeu e seleciona com muito critério aquilo que chamam de outros.
O pior é se  perder no próprio umbigo. Todavia, para quem não teve um encontro com Jesus Cristo, mas teve um encontro real consigo próprio, o umbigo é um ótimo itinerário. A premissa básica do encontro pessoal é começar de si próprio e não dos outros. Quase todo mundo faz o percurso incorreto; procura bem estar fora de si. Voltados para o exterior, produz-se muita adrenalina e por acaso a adrenalina não é o hormônio da felicidade. Leia o artigo abaixo. Muito interessante.
_________________________________________
Comportamento - Multidão de solitários

Um milhão de jovens japoneses
vivem trancados em seu quarto

Ariel Kostman
Para os jovens que moram com a família, o quarto costuma ser uma extensão da personalidade, o "esconderijo" que lhes permite ficar horas isolados, falando ao telefone, ouvindo música, vendo TV, surfando na internet ou simplesmente sonhando. No Japão, esse hábito tão comum produziu uma variante perversa – um contingente que permanece recluso no casulo doméstico não apenas por algumas horas, mas por meses e até anos a fio. Estima-se que mais de 1 milhão de japoneses entre 16 e 30 anos, 80% deles do sexo masculino, vivam nessa situação, já classificada como doença pela literatura médica japonesa. Eles são chamados de hikikomori, palavra que significa "recluso" ou "isolado da sociedade".
Sustentados pelos pais, os hikikomoris dormem a maior parte do dia e ficam acordados à noite para evitar contato com as outras pessoas da casa. Passam o tempo vendo TV, jogando games ou navegando na internet. Aproveitam a madrugada para rápidas visitas a lojas de conveniência para comprar comida e revistas. O contato social quase sempre se resume a relacionamentos virtuais com pessoas que não conhecem. É fato que alguns sofrem de doenças como depressão e esquizofrenia, mas a grande maioria não demonstra sinais de desordem psíquica ou neurológica. Eles simplesmente querem se isolar do mundo.
Na opinião de psiquiatras japoneses, esses eremitas modernos são vítimas dos próprios costumes do país. No Japão, os jovens sofrem imensa pressão para obter sucesso nos estudos e para se moldar às normas no trabalho e na sociedade. Os hikikomoris são aqueles que não agüentam a pressão e preferem retirar-se da comunidade a competir com os outros. Como expressar os sentimentos é um comportamento malvisto entre os japoneses, eles também preferem guardar para si suas angústias. Aos olhos de um brasileiro causa espanto o fato de os pais desses jovens compactuarem com eles no isolamento. Mais uma vez, pesam aí os costumes. Numa sociedade que prega a homogeneidade, os pais acham melhor esconder os filhos em casa do que expor publicamente sua incapacidade de adaptação.
"Se você tem um filho que destoa da média, isso é motivo de grande vergonha", diz a psicóloga japonesa Kyoko Nakagawa. "Por isso, os pais preferem ocultar o problema e não tomar nenhuma atitude para não se sentir humilhados." Por enquanto, a tarefa de ajudar os solitários tem sido realizada por redes de voluntários, muitos deles pais de hikikomoris. Para o psiquiatra japonês Tamaki Saito, é preciso mais do que isso para solucionar a epidemia de reclusão social. "Uma sociedade que abandona os fracos e só valoriza os fortes não é uma sociedade de verdade.
Fonte:Veja online

4 comentários:

  1. Fala esteves, eu tenho uma sensação muito próxima quando vou à São Paulo e circulo no centro sozinho, eu chamo de " solidão no
    meio da multidão ! " Mas aí é entram os amigos para aplacá-la !
    Abraço Grande ! Gustavo

    ResponderExcluir
  2. Excelente! Beijos, Tatiana.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom!!!!!!!!!!!!!! Abeaços Eliana

    ResponderExcluir
  4. Excelente post... Eu trabalho, faço faculdade mas no resto vivo também isolado... Sempre pensei que fosse o único. Mas pelo jeito não. Bom saber que não sou uma aberração social e que há mais pessoas preferindo o isolamento ao contato social... No meu caso é porque não consigo seguir a frase "Bota a máscara e vai a luta". Realmente essa realidade não serve para mim... Obrigado pela informação Joaquim Esteves!

    ResponderExcluir