.

.

.

.

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

MONSIEUR TOUT-LE-MONDE

O triste é quando você não tem mais discurso próprio e o que você diz é a cópia fiel do que dizem os seus doutrinadores. (Vide " O Clube da Luta ") Quando fica muito difícil saber quem se é, adota-se o modelito do lado. É muito confortável parecer com todo o mundo, mas é deveras perigoso. Pode ser que você não encontre a felicidade onde todo o mundo assegura veementemente que ela está. E aí, o que fazer? Promover uma revolução pessoal ou continuar deambulando como um espectro na multidão?
É totalmente impossível que a felicidade esteja no mesmo lugar, nas mesmas atitudes, nas mesmas situações e nas mesmas coisas para milhões de pessoas. Pense bem.
Se você suspeitar que o cara que se movimenta por aí na sociedade é um personagem, você tem muitas chances de ser feliz. Agora, quando você entra na pele do personagem, está quase tudo perdido. Enquanto você lutar contra o personagem, você ainda goza de alguma saúde mental. Entretanto, a partir do momento que você não souber distinguir a sua pessoa do personagem, acabaram-se as suas possibilidades de ser feliz.
Você não tem que produzir OCITOCINA (Pesquisar sobre este hormônio primordial) nas mesmas circunstâncias que os demais. Se outros produzem Ocitocina ao se tatuarem, você pode produzir Ocitocina cuidando das suas plantas ou fazendo qualquer outra coisa mais pessoal. Cuide dos seus receptores de Ocitocina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário