.

.

.

.

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

AS NOVAS CATEDRAIS

DAS KAPITAL

Depois que o dinheiro foi guindado à categoria de divindade, vivemos tempos obscuros. O Obscurantismo vem se acentuando gradualmente. Já foi menos obscuro.
Atualmente no chamado Mundo Corporativo revive-se a noite dos mil anos. O chefe virou uma espécie de sacerdote, ninguém pode criticá-lo. O diretor não pode ser tocado pelos subalternos. A empresa é comandada por uma seita hermética e sacralizada da qual não se sabe quase nada. O ambiente é de tensão e coerção. Trabalha-se pra burro. Trabalha-se em casa, no ônibus e nos finais de semana. Ninguém pode respirar. Todo mundo vigiado. Câmaras por todos os lados. E-mails espionados. Puxa-sacos aos borbotões. Não se fazem mais filas mas é como se todo mundo estivesse em posição de sentido. Os boatos se multiplicam como ratos. A comunicação é precária. O presidente disse que mandou dizer que não disse nada. Metas, metas e metas e mais metas. Superação, superação, progresso, progresso e crescimento. Ameaças, ameaças e mais ameaças. Medo, medo, pavor e pânico.

Escravos Remunerados se acotovelam para conseguir mais espaço. São uns por cima dos outros e não é suruba; é desespero. Quem será o próximo a conhecer o olho da Rua da Amargura?
Os empregos são artigos de luxo e quem pode oferecê-los vira deus na terra. Imaginem o que acontece em Portugal, na Espanha e na Grécia. Eu tive alguns ecos desses infernos de trabalhadores.
Na escuridão corporativa desenvolveu-se o ASSÉDIO MORAL e a Síndrome de BURNOUT.(depressão no trabalho) Há muitos psicopatas e muitos deprimidos no mundo do trabalho. 
Um por cento da população mundial detem 55% das riquezas do planeta. Você, eu e bilhões e bilhões vivem com o que sobra. É um escândalo.
Com o suor dos Escravos Remunerados são construídas as novas Catedrais do Capital que abrigam os detentores do poder na terra. Com o neoliberalismo da Margaret Hilda, os poderosos não trabalham mais; divertem-se acumulando milhões no mercado de capitais.
Custou. Custou muito. Foram precisos muitos séculos mas finalmente chegamos à Idade Média.

P.S.- A Idade Média ainda não chegou ao setor dos trabalhadores públicos, mas um dia chegará.

Um comentário: