.

.

.

.

domingo, 1 de dezembro de 2013

PERDI TODAS AS MULHERES PARA O CASAMENTO

Encontrei o Aristides completamente arrasado. Cabisbaixo, pensativo, um pouco pálido, parecia que vinha  direto de uma sessão espírita psicografada.
- O que é que houve?
-  Tou meio down. Lembra da Graziela?
- Claro. 
- Pois é, ela tem outro cara.
- A Grazi?
- É. Você sabe que ela sempre quis casar. Só falava em casamento. Você sabe. Eu até comprei as alianças, mas eu não quero casar. Eu quero a Grazi. Não quero me casar. Nunca quis. Você sabe. Porra! Ela acha que o casamento é a evolução do namoro. Puta que pariu! Que mulher babaca! O casamento é a involução do namoro. Todo mundo sabe disso.
- Como você conseguiu ficar seis anos com uma idiota desse quilate?
- Porra! Sabe como é que é...... Inexplicável esse negócio. É foda! Quando eu conheci a Grazi, fui bastante claro. Sempre lhe disse que não queria casar. Mas você sabe como é mulher, pensa que muda a gente.
- É camarada! Toda a mulher no fundo acha que homem é babaca. E na maioria da vezes tem razão. Eta raça babaca sô!
- Eu não sou babaca não.
- Não? Tem certeza?
- Num fode Joaquim!
Ali estava prostrado diante de mim, mais um macho preso nas suas próprias  teias hormonais. Sempre disse que testosterona emburrece. Eta hormoniozinho estúpido! 
Não sabia o que fazer para consolar Aristides. Resolvi tentar uma terapia de choque.
- Aristides, você não tá vendo que essa piranha te trocou pela instituição? Ela nunca quis merda nenhuma com você. Ela tem uma relação forte e profunda com a porra da sociedade onde ela nasceu. Só isso! Você nunca significou merda nenhuma para essa piranha.- disse, alterando a voz em tom de discurso
- Pô Joaquim, pô! Não fala assim da Grazi. A Grazi não é piranha. Que é isso?
- Não é piranha, mas o que interessa é que ela te trocou e você tá na fossa. Sai dessa!
- Fiquei sabendo que ela achou um cara que quer casar com ela de qualquer jeito.
- Então, que case, que acasale, que tenha filhos e que se ferre.. Você tem que ser mais independente rapaz. Tirando a porra do sexo, o que é uma mulher pode te oferecer? O quê?
- Pô cara! Você tá esquecendo do amor, do afeto. Que é isso Joaquim!
- Puta que pariu! Você tá na pré-história do relacionamento homem- mulher. Amor? Que amor rapaz. Que amor é esse ?  Bate na boca! Se amor é isso, eu quero que me odeiem. Eu prefiro o ódio. A mulher te troca porque tem compromissos com a instituição do matrimônio, porque quer dar satisfações à sociedade e caga em você. Você é um objeto miserável e ridículo para dar vazão à falta de imaginação dessa enquadradona. Pensa um pouco. Esquece a vagina dela. Esquece a bunda dela. Esquece. Pensa com um pouco de imparcialidade. Finge que você é assexuado. Finge.
- Cara, você tá me deixando confuso.
- Mas você é confuso Aristides. A sociedade humana é confusa. Eu estou querendo te trazer um pouco de light, porra! Light, meu irmão.
- Vi no Face dela que ela vai viajar com o cara para Paris. E ela que tantas vezes me pediu para ir a Paris. Poderia ter ido. Não custava nada.
- Você é quem sabe. Eu continuo  te achando um idiota edipiano procurando nas mulheres o que elas não têm para te oferecer. A pessoa mais indicada pra te dar o que você quer é a tua mãe. Liga pra mamãe
- Vai se foder. Tu tá querendo me ajudar ou me derrubar?
- Tô querendo derrubar essa mitologia toda que te enfiaram pela goela abaixo quando você era puro e inocente. Para com isso! Vomita essa mixórdia que te meteram na boca. Tenta te reconstruir a partir das tuas próprias percepções, da tua experiência pessoal, do teu  amor próprio, da tua intuição e principalmente da tua inteligência. Este mundo faz a gente de bobo. Você não é bobo Aristides, você é babaca.
- Mas tou na pior mesmo. A Grazi me faz uma falta do caralho. Puta que pariu!
- Claro seis anos dá pra viciar. Graziófilo do cacete! Olha, essa garota vai se dar mal. Imagina deixar um cara como você que é babaca, mas que até tem um posição ideológica, uma postura existencial firme, para se amancebar com um candidato a corno que vai para Paris.... Fica tranquilo Aristides.
- Acho que vou ter que me casar. Cara, perco as mulheres todas para o casamento. O  que é que essa porra de casamento tem que eu não tenho?
- Aristides, o casamento é uma droga social, um caminho incerto e aberrante pisado por milhões de pés ao longo de séculos, uma tragédia em dois atos, civil e religioso, mas como toda a droga, está entranhada nas células emocionais do people. O pessoal não consegue se desintoxicar. É muito CO2 cultural, rapaz. Dizem que há casamentos bem sucedidos. Eu não acredito. Eu não moro com o casal feliz. Como posso saber? Eu não acredito mais em teatrinho de bonecos.
- É Joaquim! Acho que vou ter que casar. Se continuar assim vou ficar sozinho.
- Ah, sozinho! E com a Grazi por acaso você não era sozinho, não?- indaguei sorrindo
- Claro que não. Tá maluco?

Nenhum comentário:

Postar um comentário