.

.

.

.

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

COLECIONADORES X ACUMULADORES

Se você procurar a definição do verbo colecionar, alguns dicionários de qualidade duvidosa, vão te dar acumular como sinônimo. Nada a ver. Colecionar é reunir com algum critério em mente. Acumular é amontoar sem critério nenhum. Acumular é apinhar, entulhar, juntar qualquer coisa, quaisquer pessoas, em qualquer lugar para obter uma satisfação difícil de avaliar.
O colecionar foi substituído pelo acumular. Se alguém tem dúvidas a este respeito com certeza tem menos de 50 anos ou muito menos que isso. Eu não tenho a mais tênue sombra de dúvida de que esse fato realmente aconteceu.
Na minha época, a época boa, muita gente colecionava, mas ninguém acumulava. Em primeiro lugar, não vivíamos com a corda no pescoço para atualizar o que quer que fosse. As coisas e as relações duravam. Vivíamos sob a égide da durabilidade. Quando uma lâmpada queimava, todo mundo vinha ver a lâmpada queimada. Era uma coisa inusitada. As lâmpadas eram fabricadas para durar. Os carros, as geladeiras, as máquinas de escrever, os móveis, as pessoas existiam para durar. E quando morriam, havia extrema reverência pelo morto e respeito pela morte. Hoje, a morte está mais do que banalizada. Os americanos do norte contribuíram muito para isso com a sua abominável "violência recreativa".
Sob os auspícios da extrema efemeridade, hoje, as pessoas se apressam em acumular. Devem ter a impressão que tudo pode acabar a qualquer momento. É assim que vivemos atualmente. A qualquer momento, o programa de computador não serve mais, a qualquer momento, o celular não serve mais, a qualquer momento, o carro não tem mais conserto, a qualquer momento, os sapatos não servem mais, a qualquer momento, o emprego pode não mais existir, a qualquer momento, os chamados  amigos podem sumir. A maior prova de que não se acumulam apenas coisas, é o Facebook. No Facebook, acumulam-se o que chamam de amigos. Ele tem 4523 amigos. Como isso é possível? Assistimos inertes e boquiabertos ao triunfo definitivo da quantidade.
Os critérios da ACUMULAÇÃO de amigos são muito duvidosos. Todos podem ser amigos e no fundo, ninguém é verdadeiramente amigo de ninguém. Todo mundo é perfeitamente descartável. O Facebook é a maior pornografia social já criada para favorecer a punheta sem precedentes do ego.
A punheta egocêntrica é quase obrigatória. Se você não toca, onde mais você tem tanta pornografia social? Só no Face. É tudo Face.(A era masturbatória começou com o finado Orkut. Qualquer dia vamos comemorar uma década de punheta.) A não ser que você decrete unilateralmente uma quase abstinência saudável. Com o Facebook reiventou-se patologicamente a sociabilidade e o gregarismo. O Facebook é um atentado à bomba às relações humanas. É uma fonte inesgotável de voyeurismo social, isso para não falar de espionagem e ataque violento à vida privada. O Face criou uma falsa sensação de auto suficiência.
Então, vamos nos excitar no Face, com todas as práticas sociais explícitas. Vamos intumescer os nossos EGOS e gemer sozinhos no silêncio dos nossos quartos vazios.

P.S.- Em oposição ao delírio coletivo do Facebook, proponho uma rede social para achar UM AMIGO. One Friend Book. Inscreva-se já.

Um comentário:

  1. Colecionar e acumular... Coisas distintas!
    Já com a palavra e o conceito de AMIGO, a palavra e o conceito estão mudando. É claro que eu posso achar que "No meu tempo..." era diferente. Mas, isso, era... não é mais... e nunca será igual. Hoje, a palavra Amigo vive por aí, sozinha, à espera de um novo conceito. Os tempos são outros. Nada é pior ou melhor, nós é que mudamos.
    Um grande abraço, Joaquim!

    ResponderExcluir