.

.

.

.

sábado, 29 de março de 2014

A VERDADE É UMA GROSSERIA

"Representamos o papel de herói porque somos covardes, o de santo porque somos maus. E o de assassino porque sempre existe alguém que gostaríamos de matar. Representamos, em suma, porque desde o momento que se nasce não se faz outra coisa senão mentir."  Jean Paul Sartre

Quanto mais nos aproximamos da verdade, menos os outros gostam de nós. Quanto mais denunciamos a animalidade do ser humano, mais gente nos olhará com desconfiança e raiva. Temos que compactuar desta mentiralhada toda para sermos bem quistos. Este planeta é um mentiródromo.
Toda a palavra que é considerada palavrão faz invariavelmente referência ao animal que teimam em esconder. O palavrão é o dedo-duro da nossa real condição. Por isso tantos têm verdadeira ojeriza ao palavrão. Não vou repetir os palavrões. Digam um palavrão e verifiquem se ele não se refere a sexo, defecação, micção, vomição e outras coisas que nos caracterizam. 
Quiseram me convencer durante décadas que todos eram quase anjos; anjos que cagam, naturalmente. Em última análise educar uma pessoa é ensiná-la a mentir.
Você é obrigado a mentir e se eventualmente você mente mal, é chamado de mentiroso. Quem mente e mente as mesmas mentiras de todo mundo é gente finíssima.
Parece que a mentira nos protege do pior. Todavia, a mentira também adia consideravelmente o nosso amadurecimento. Bem educado é quem aceita passivamente continuar a viver no mundo das criancinhas, onde tudo parece mas não é. Sentimo-mos bem assim fingindo que não sabemos das verdades mais elementares. Isso nos traz conforto e alguma serenidade.
Não gosto de criaturas muito finas. Por vezes, o véu de civilização camufla e boicota o melhor que há num ser humano.
Hoje mais do que nunca, diante de toda a hipocrisia de que sou vítima, diante do politicamente correto e outras merdas afins, tenho certeza absoluta que dizer a verdade é mesmo a pior das grosserias.

Um comentário:

  1. Na Vida, ser personagem é fácil, difícil é não ser!
    Um grande abraço, Joaquim!

    ResponderExcluir