.

.

.

.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

A NULIDADE DAS RELAÇÕES HUMANAS

As relações humanas nunca foram lá essas coisas. Sempre imperou a confusão de sentimentos  e a troca descarada de interesses por vezes escusos. Salvaguardadas as exceções de praxe, as relações humanas foram e  são uma autêntica merda.
Palavras como amizade, afeto e amor são na maioria das vezes utilizadas inadequadamente. Aconselho aos pobres de espírito e de vocabulário a consultar o Aurélio e a consciência. Com frequência as relações passam muito longe da amizade, do afeto e do amor. É um imenso cabo de guerra em que cada um defende com denodo e veemência os seus interesses. Os interesses são legítimos mas numa relação humana que se preze, devemos pelo menos tentar ver a pertinência dos interesses dos outros. Isso quase nunca acontece. É um desfile emproado de interesses os mais diversos, objetivos e subjetivos.
As pessoas se usam mutuamente porque ainda não conseguiram a proeza de estar sozinhas e felizes. É um vergonhoso usufruto escancarado do outro com o rótulo falso de amizade, amor, etc. É um obsceno vampirismo emocional a céu aberto. As pessoas se sugam para serem capazes de permanecer de pé com a seiva dos outros. (Por favor, não estou falando de felação.) Peço discernimento e dignidade ou então qualifiquem as relações com outros vocábulos. Há muitas palavras nos dicionários.
Chamar certas e determinadas relações de amizade ou de amor, é revoltante e nojento. Hoje então os conceitos de amizade e amor beiram as raias do mais perfeito absurdo. Nas redes anti-sociais, todos são amigos de todos e paradoxalmente ninguém é amigo de ninguém. 
A vida é dura por isso precisamos de alguns aliados para sobreviver. Não são necessários muitos. O importante aqui é mesmo a qualidade dos aliados. Vamos parar de delirar com a importância fake e enganadora da quantidade. Um bom e verdadeiro aliado já faz a diferença. O aliado tem que fazer jus a esse nome. Ele existe para te ajudar, para te apoiar, para te compreender, para estar sempre do teu lado, não para competir com você. E  tudo isso é totalmente recíproco. Este é o sentido da sólida e verdadeira aliança com o outro. Quem entra em concorrência direta com o soi-disant amigo não é amigo; é inimigo. Definitivamente uma relação de amizade, de amor ou de afeto não pode nem deve ser nunca uma relação de poder e quase sempre só é para ver quem domina. Tenha peito e expulse da sua vida todos esses falsos amigos e esses amores de araque. Você sabe que eles só trazem estresse, conflito e um prazer mirradinho.
Não desperdice as suas esperanças em coisas vãs. Aposte as suas melhores esperanças na possibilidade de encontrar um aliado.
Quanto a mim, diante desta zona total de valores e princípios, face a este caos na convivência humana, acho que a fauna e a flora sempre constituem uma excelente opção.

Nenhum comentário:

Postar um comentário