.

.

.

.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

ANOREXIA EMOCIONAL

Anorexia é o distúrbio alimentar que traz sérias complicações à saúde por causa da busca pela magreza excessiva. A palavra vem do grego "anorexia", que é formada por "A" - negativo - mais "orexis" - "apetite, desejo", o que significa a negação do desejo, do apetite.

Apesar de fazer referência à alimentação, a palavra vem sendo empregada também para definir um outro contexto: o das pessoas que têm extrema dificuldade de estabelecer vínculos afetivos, chegando a apresentar, inclusive, uma fobia social. E a classificação para isso, segundo especialistas, é "anorexia emocional".

As características desse tipo de problema costumam ser a extrema dificuldade da pessoa se envolver, dar e receber amor, afeto ou carinho. O termo anorexia emocional pode parecer bem estranho, a princípio, e não é uma doença reconhecida no Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais. Mas especialistas de diferentes áreas a classificam como uma desordem compulsiva em dar e receber que, neste caso, é o do afeto. Segundo Lygia Merini, psiquiatra com extensão em Pesquisa Clínica pela Universidade de Harvard, dos Estados Unidos, o problema não é reconhecido pela medicina, mas tem sido utilizado habitualmente em textos não técnicos. E isso pode ser notado especialmente quando há trabalhos ligados a grupos de autoajuda, conhecidos como D.A.S.A. (Dependentes de Amor e Sexo Anônimos).

"Quando falamos em anorexia emocional, falamos de indivíduos que se privam de forma patológica  das relações interpessoais, da formação de vínculos", ressalta Lygia. A anorexia emocional é como uma blindagem emocional. Ela evita criar vínculos afetivos, isolando-se em seus sentimentos por um medo paralisante de ser abandonado, criticado, não retribuído. Abster-se do prazer para evitar a dor. A nomenclatura anorexia emocional não é reconhecida como classificação diagnóstica pela psiquiatria, mas define bem uma desordem compulsiva em evitar o dar e receber.

No caso dos anoréxicos emocionais, a pessoa nega a nutrição social, emocional e sexual, analisa Triana Portal, psicoterapeuta e psicóloga clínica pela Universidade de São Paulo (USP). Por sua vez, de acordo com o psicanalista especializado em relacionamentos amorosos e em mudança de hábitos, Sergio Savian, o termo é recente e vem sendo utilizado para definir pessoas que têm essa dificuldade para se relacionar amorosamente. "Alguns simplesmente se isolam, fugindo de qualquer contato. Já outros fazem um verdadeiro rodízio sexual e no final das contas, não estabelecem vínculo com ninguém.

Com o advento da internet e dos smartphones, a situação piora, pois muitas pessoas trocam o contato real pelo virtual. E isso nos coloca ainda mais afastados da emoção, analisa o psicanalista que também é autor dos livros "Manual do Êxtase e Amor" e "Sedução para a Mulher do Século XXI". As razões para essa anorexia emocional, aponta o psicólogo Thiago de Almeida, podem ser consequência de algum trauma sofrido na infância relacionado a sentimento, abandono ou mesmo ruptura. "Daí pode surgir essa insegurança, baixa autoestima, o medo de relacionar-se e não ser correspondido, ou ainda de ser abandonado", opina ele, que é especializado em dificuldades encontradas em relacionamentos amorosos como ciúme, infidelidade, timidez e sexualidade. "No entanto, é preciso, antes de mais nada, ressaltar o que diferencia um quadro de anorexia emocional de um caso de timidez quando o assunto são as relações amorosas. Isso porque a timidez é um padrão de comportamento no qual um indivíduo tem dificuldades de se expressar socialmente, mas acredita nas emoções e quer vivenciá-las. Muitas pessoas sentem-se atraídas por quem é tímido, existe até certo charme por trás da timidez. Já quem tem anorexia emocional também pode ser tímida, mas ao contrário dessas, não quer ou tem medo de se relacionar. Há de fato uma rejeição em demonstrar os sentimentos e evita-se vínculos emocionais", explica Thiago que também é autor dos livros "A arte da Paquera - Inspirações à realização afetiva", "Sexualidade, cinema e deficiência" e "Ciúme e suas consequências para os relacionamentos amorosos"
Adaptado do msn.com

2 comentários:

  1. Boa noite, Joaquim!
    Muito interessantes suas considerações, Joaquim.
    Parabéns pela excelente postagem.
    Um grande abraço, Joaquim!

    ResponderExcluir
  2. ´´Ela evita criar vínculos afetivos, isolando-se em seus sentimentos por um medo paralisante de ser abandonado, criticado, não retribuído.´´
    Discordo totalmente, eu nunca consegui, de fato, criar fortes vínculos e não havia nenhum medo. Eu me sentiria muito feliz se houvesse medo envolvido porque iria saber o motivo claro da causa para tal anorexia emocional.
    Já tentei. O que me deixa angustiada é como a sociedade enxerga isso como um problema, ora, se eu me sinto bem em estar sozinha, em não criar vínculos, por que seria problema?
    Acredito que seja problema quando a pessoa QUER e não consegue, dai gera um bloqueio. Eu não quero mais porque não vejo necessidade.

    ResponderExcluir