.

.

.

.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

AS DONAS DO PEDAÇO

A história das mulheres ao longo dos séculos é a própria calamidade social. Vítimas de toda a sorte de preconceitos, humilhadas, injustiçadas, preteridas, agredidas, enfim, é um percurso sórdido para ser esquecido ou reparado. Ainda hoje, no mundo oriental, as mulheres são vítimas das piores velhacarias. Clitoredectomia, amputações e discriminações de toda a ordem. Tenho muita pena de todas as mulheres  que vivem em países muçulmanos. É inominável o que se faz com as mulheres.
Atualmente no mundo ocidental, vários paradoxos sobrevivem. No século vinte um,  pode-se dizer que a época mais tenebrosa para as mulheres já passou. Subsistem aqui e ali, algumas injustiças. Não se esqueçam que o Brasil é quase uma Ginecocracia.
Ao longo dos tempos, a mulher sempre usou o seu sexo como arma para controlar o macho. O que se compreende perfeitamente pois era a única coisa que lhe restava. Sempre manteve o homem refém da sua genitália de maneira muito sutil. Fez greves de sexo e aprendeu através do seu hemisfério cerebral direito muito desenvolvido e do seu rico Corpo Caloso, a ter bem mais domínio sobre os seus desejos sexuais. Some-se a isso todos os dispositivos culturais colocados a serviço da repressão sexual da mulher.
O hemisfério direito do cérebro é o setor da arte, da imaginação e da criatividade. Contraditóriamente, não considero as mulheres muito afeitas à atividade artística; isso é coisa de homem que misteriosamente não tem o seu hemisfério direito muito desenvolvido. (A repressão acabou  e nem por isso vejo surgir grandes escritoras, grandes compositoras, grandes pintoras, no horizonte artístico pós-moderno.) Deixo para vossa reflexão. Tenho uma pista, no entanto. O hemisfério que poderia ser usado para artes, sempre esteve a serviço de estratégias vivenciais para fazer face à sua desvantagem em relação ao macho humano. Sempre se disse que as mulheres eram e são muito manhosas. A manha vem sem dúvida nenhuma do hemisfério direito.O ardil e a manha salvaram as mulheres da estupidez masculina.
Apesar de todas as conquistas das mulheres, elas ainda continuam a usar as velhas armas do passado. Basta observar uma mulher caminhando pela rua para se perceber que para ela, a vagina ainda é uma arma. A maneira de olhar, de andar, de se comportar, a sua apropriação exagerada do ato sedutório, o seu compromisso extremado com a beleza física, dizem o seguinte para os mais intuitivos e mais sensíveis:- "Eu tenho aqui uma coisa que pode te levar ao êxtase, mas eu é que mando. Eu é que determino se libero ou não para você a porta estreita do paraíso."
A mulher continua apesar de todos os avanços, a ser o que chamo de Arrogante Genital. Que arrogância! Como é metida a besta! Achar que o Êxtase é uma vagina. E anacrônicamente, o homem continua a ser esfaqueado por essa arma na sua lamentável infantilidade. O homem continua sendo o que eu chamo de Pré-Babaca Genital. É a arrogância contra a pré-babaquice. Conclamo os homens no sentido de suplantar essa pré-babaquice genital elementar. Assim, ficaremos em pé de igualdade com as donas da sexualidade humana, sem os traços da nossa previsibilidade primária.
Está na hora de abandonar essa velha arma e lutar com armas mais convencionais e modernas nestes tempos muito igualitários.
Para mim, é um enigma. Como é que alguém que foi premiada pela natureza com a sexualidade mais exuberante e forte de que se tem notícia, usa essa mesma sexualidade para obter vantagens não sexuais? ( Por exemplo, a prostituição feminina em todos os níveis e situações, é uma mina de ouro; a masculina é um fracasso retumbante. Só funciona para gays.) Por que não usufruir dessa máquina sexual maravilhosa pura e simplesmente? Não se esqueçam que isso é perfeitamente possível graças aos métodos anticoncepcionais disponíveis. Só um estudo muito minucioso do passado histórico das mulheres pode elucidar mais adequadamente esse quebra-cabeças.

Nenhum comentário:

Postar um comentário