.

.

.

.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

O CORPO COMO CAPITAL

Só investe no corpo quem é muito infantil. É coisa de quem ainda não sabe investir. É coisa de jovem burro. Eu também, quando era muito burro e muito jovem, fiz alguns investimentos no corpo. E olhando para o meu corpo agora, algumas décadas depois, me alegro por não ter insistido muito nesse investimento. Se tivesse insistido, estaria em situação pré-falimentar. (Todo o corpo um dia vai à falência.) Não que o meu corpo seja uma monstruosidade, muito pelo contrário, mas levando em consideração a cartilha de quem investe no corpo pra valer, o meu corpo não dá mais dividendos. O meu corpo virou um grande fracasso. Aliás, todos os corpos são grandes fracassos anunciados. Não é por aí meu amigo.
Se você é muito jovem e um pouco inteligente, diversifique os seus investimentos. A beleza do corpo é admirável, mas não dá para levar muito a sério. Eu juro que nunca me enamorei de uma estátua. O que  pode encantar é o movimento da forma. A forma em si não desperta melhores sentimentos. Desperta outras coisas como libido e tesão e mais nada. Basear a sua vida numa trepada interminável, não me parece um estratégia interessante. A história da humanidade pode ser resumida numa frase: "Condenados a gozar e o que é muito pior, a procriar."
Quando as pessoas descobrirem que sexo é só um grande engodo, aí podemos até pensar em ser felizes. Antes dessa descoberta é só escravidão e pouco mais. Se você conseguir abstrair e incorporar a ideia de que sexo é um comando hormonal poderoso e que você é muito mais que isso, você terá chegado a um terreno propício para a liberdade. Antes disso, o que você denomina liberdade sexual é escravidão muito próxima da escravidão dos hebreus. A humanidade adora uma escravidão. Os escravos das Academias ainda não conseguiram olhar para dentro de si próprios. Só olham pra fora. E quem olha pra fora não se vê com exatidão, só vê os Outros e é escravo das convenções e das ideias estranhas e injustas que os outros inventaram.
Então, grande musculoso, belo corpo, bela figura, saiba que também existem outros tipos de beleza. E se  o seu negócio é beleza e tesão, saiba que também há vida feliz fora dessa sua prisão. E continue malhando; a Academia é deve ser um pouco melhor de Bangú dois.
P.S.- Entendo perfeitamente que os jovens invistam no corpo como  promoção pessoal a curto e médio prazo. O que eu não entendo é velho e principalmente velha coroca que continua investindo na merda do corpo. Isso, eu nunca vou entender. É estupidez demais para os meus pobres neurônios. Chegar aos 50 anos e continuar reivindicando a juventude como único valor supremo é uma lástima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário