.

.

.

.

segunda-feira, 25 de maio de 2015

O SOFRIMENTO ÚTIL

¡Ay mísero de mí...!
[Soliloquio: Fragmento de La vida es sueño]

Pedro Calderón de la Barca
¡Ay mísero de mí, y ay, infelice!  Apurar, cielos, pretendo,
ya que me tratáis así
qué delito cometí
contra vosotros naciendo;
aunque si nací, ya entiendo
qué delito he cometido.
Bastante causa ha tenido
vuestra justicia y rigor;
pues el delito mayor
del hombre es haber nacido. 

Arthur Shopenhauer cita a parte final desta estrofe em "O mundo como vontade e representação."

O sofrimento só serve para te mostrar que a vida não é uma dádiva. A despeito da propaganda muito falaciosa que se faz da vida, quem já teve o seu tempo de sofrimento útil, constatou que a vida é muito parecida com "O processo" de Kafka. Os seus pais é que gozaram e você é que se fodeu.
Quem não mudar a premissa, altenará crises de alegria com crises de angústia e não passará disso até morrer. É necessário mudar a premissa: definitivamente a vida não é um dom, um presente ou coisa que o valha. A vida está muito mais próxima de uma punição sem delito transitado e julgado. 
O sofrimento só é Útil para te levar a esta conclusão. Todo e qualquer outro sofrimento é estéril, estúpido e cancerígeno.
Na grande maioria da vezes, a pessoa sofre e não muda a premissa. Continua sempre a achar que foi premiada com a vida e um dia chegará então ao decantado Shangri-lá.
Eu não preciso sofrer mais. Eu já aprendi. E aprendi demais. Aprendi que também posso ser  feliz a milhares de léguas do paraíso e a alguns centímetros do inferno.

Um comentário: