.

.

.

.

terça-feira, 12 de maio de 2015

O VIAGRA E A MORTE SÚBITA

Os médicos nos quais eu não confio nem um pouco, dizem que o Viagra pode matar como qualquer outro medicamento. Confesso que tenho muita dificuldade em lidar com esta medicina que pode matar e mata. Desaconselham todavia o uso de Viagra para quem faça uso regular de medicamentos da classe dos Nitratos (Isordil, Sustrate, Monocordil, Isossorbida, etc.), utilizados para quem  tem doença coronariana, particularmente angina de peito. Os nitratos que são potentes vasodilatadores combinados com o Viagra que também é vasodilatador podem levar o indivíduo à morte por hipotensão arterial.
Há casos conhecidos de morte súbita em que o homem tinha 68 anos de idade e a sua parceira 27. Não quero citar nomes. É óbvio que o libidinoso inveterado tomava Viagra ou coisa que o valha. Para mim, são casos de morte anunciada.
Acho deplorável que um homem de 70 anos não tenha descoberto outras fontes de prazer a não ser  o que provem dos genitais e arredores. Creio que a partir de uma certa idade é muito mais elegante e confortável colecionar orgasmos ao invés de acumulá-los como um adolescente idiota escravo da testosterona.
Uma das grandes vantagens do envelhecer é receber das mãos tiranas e cruéis da testosterona, a carta de alforria. Isso não significa abandonar a atividade sexual, mas praticá-la, harmonizando-a com a nossa cronologia. É ridículo e por vezes fatal, praticar atletismo sexual aos 60 anos. Como é possível para esses viagrentos-viagrosos não terem outra maneira de obter prazer? São os eternos adolescentes da artrite,  da artrose e da barba branca. 
Como é possível que certos homens não tenham dado um único passo que fosse, no terreno pantanoso das suas almas e acabem as suas vidas literalmente de pau na mão?
Se tiverem tempo, leiam este artigo de O GLOBO.

RISCO DE ALTA POTÊNCIA

Há relatos de morte súbita em motéis em que entre os pertences da vítima havia medicamentos com a substância sildenafil.

Será que estamos assistindo a um surto silencioso de morte súbita de homens associada ao uso de sildenafil, medicamento usado para disfunção erétil?
Há relatos isolados de profissionais que atendem casos de morte súbita em motéis que encontram, entre os pertences da vítima, embalagens de produtos farmacêuticos indicados para disfunção erétil, contendo a substância sildenafil. Desconhecemos registros das equipes de emergência (sejam órgãos da Defesa Civil, do Samu ou do Corpo de Bombeiros) que poderiam ajudar a esclarecer a dimensão do problema. Desconhecemos relatos de parceiros, amigos e familiares dos que morreram. Tampouco médicos ou outros profissionais de saúde têm se pronunciado sobre o assunto. Desconhecemos alertas públicos das autoridades sanitárias para prover a população de informações sobre o produto ou seus riscos.
A aparente ocorrência de aumento de casos de morte súbita de homens em uso do sildenafil — paralelo ao extraordinário crescimento das vendas no país, de dois milhões de unidades/ano para 30 milhões, com o fim da vigência de sua patente — merece investigação de caráter público.
O sinal de alerta tem a ver com a saúde da nossa coletividade. O sildenafil é fármaco usado para duas indicações terapêuticas diferentes: hipertensão pulmonar e disfunção erétil. Recomendações técnicas preconizam comprimidos de 5mg ou 20mg no primeiro caso e de 25 a 100mg no segundo. Recente episódio relacionando o Ministério da Saúde, o laboratório do Ministério da Marinha e o laboratório Labogen, do doleiro Alberto Youssef, resultou em grande confusão e desinformação sobre as duas condições.
A hipertensão pulmonar reflete estados patológicos e a disfunção erétil associa-se a mudanças relacionadas ao envelhecimento, embora haja notícias de uso recreativo em adultos jovens. Assim como outras condições de saúde com importantes componentes culturais, tais como a anorexia, as cirurgias plásticas estéticas, o uso abusivo de tranquilizantes, antidepressivos e outros, a disfunção erétil é tema silenciado. Seja o silêncio resultado do eventual constrangimento pela perda funcional, ou do forte machismo da nossa sociedade, que associa desempenho sexual a vigor e poder.
Nunca é demais lembrar que o capítulo da lei 8080/90 que trata da Vigilância Sanitária determina ser de responsabilidade das autoridades sanitárias eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde, além de intervir nos problemas sanitários decorrentes da circulação de produtos. E que houve episódios trágicos envolvendo o uso de medicamentos. Só para citar alguns, muitas vidas foram perdidas após o uso do mercúrio contra a febre amarela, no século XIX. E, no século XX, registraram-se mortes de crianças com insuficiência renal, após o uso de xaropes com dietilenoglicol, e de asmáticos por uso de aerossóis com isoproterenol. Na década de 1960, ocorreram mais de 15 mil casos de malformação congênita em crianças cujas mães usaram talidomida.
A falta de conhecimento completo em relação ao uso de fármacos trouxe à tona, de forma trágica, o que a ciência sustenta há décadas: não há substância farmacologicamente ativa isenta de riscos e nem todos os riscos são conhecidos antes de o produto estar no mercado.
Para que se tenha ideia da magnitude do problema, há contraindicação para o uso do sildenafil concomitante ao uso de nitratos usados para tratar doença cardiovascular, e para os indivíduos com hipotensão, derrame recente ou infarto do miocárdio. Vale perguntar: quantos brasileiros que estão consumindo as 30 milhões de unidades por ano de sildenafil sabem disso?
As consequências do uso de produtos para disfunção erétil são tema que não vem sendo tratado com responsabilidade pelos gestores do nosso sistema de saúde. Medidas reguladoras do Ministério da Saúde — tais como submeter a compra nas farmácias a controle rigoroso do receituário — são importantes para estancar os possíveis efeitos adversos. Investigar a ocorrência de complicações e mortes associadas ao uso do produto, e divulgar os resultados, permitirá prover e não privar os indivíduos da informação necessária para decidir de forma consciente e informada se desejam, ou não, correr os riscos inerentes aos fármacos. Seja ele constrangedor, obsequioso ou cúmplice, até quando aceitaremos o silêncio?
Suely Rozenfeld e Álvaro Nascimento - pesquisadores da Fiocruz

Nenhum comentário:

Postar um comentário