.

.

.

.

terça-feira, 14 de julho de 2015

DEZ MENTIRAS DA HISTÓRIA


1- Napoleão não era tão baixinho. De fato, media 1,66 cm., uma estatura aceitável para sua época e inclusive superava em 4 cm o duque de Wellington, seu grande inimigo. (Napoleão foi um homem que nasceu no século XVIII e morreu no início do século XIX.) Nessa época, os homens tinham uma estatura menor que hoje.
2- A bastilha não tinha presos políticos. Para acabar com a Revolução Francesa, há que dizer que na mítica prisão parisiense não havia nenhum preso dissidente. Encontraram ali só sete presos, todos aristocratas (entre eles o marquês de Sade), encarcerados pelos chamados “delitos de nome”: não pagar dívidas, matar um rival num duelo, etc.
3- Adão e Eva nunca comeram uma maçã. Já sabemos que só é um mito, mas ainda assim, no Gênesis não se menciona de que fruto se tratava; unicamente lê-se: “… mas do fruto da Árvore que está no meio do jardim disse Deus: ‘Não comereis dele’… “ O mito da maçã foi provávelmente criado por pintores renascentistas. Esse mito é tão controverso que existem Bíblias antigas, como o Codex Sinaiticus que mostram versões diferentes da mesma história.
4- Os reis magos não eram três. O Evangelho segundo São Mateus só menciona a visita de alguns magos do Oriente, mas não especifica seu número e nem sequer diz que eram reis.
5- Júlio César não nasceu de uma cesariana. Os historiadores acham que não foi assim, porque sua mãe morreu quando ele já tinha completado 30 anos, numa época em que as mulheres não sobreviviam a esta operação. O que é verdadeiro é que a referida intervenção deve seu nome a uma lei promulgada por César para que os bebês fossem extraídos dos ventres de suas mães se estas faleciam a partir do sétimo mês de gestação.
6- Joana D’Arc não era francesa. A verdade é que heroína nasceu em Bar, uma localidade do Ducado de Lorena que naquele tempo era independente.
7- A guilhotina não é um invento francês e seu criador não foi o doutor Ignace Guillotin que sómente sugeriu a guilhotina como método oficial de execução. Os romanos já conheciam e usavam o método e alguns historiadores acham que foi inventada pelo cônsul Titus Manlius que paradoxalmente, acabou sendo executado por ela. Um fato interessante é que a Ciência descobriu que as vítimas desse instrumento ainda permaneciam vivas por 10 segundos após a cabeça ser cortada.
8- Van Gogh não cortou a orelha; só um pedacinho do lóbulo esquerdo.
9- "Se Maomé não vai a montanha, a montanha vai a Maomé." Este provérbio não pertence a nenhum texto sagrado islâmico; faz parte de uma parábola inventada pelo filósofo britânico Francis Bacon.
10- Os vikings não usavam capacetes com chifres. Foi uma invenção do pintor sueco Gustav Malstrom nas ilustrações que realizou em 1820 para o poema épico Frithiof`s Saga. O propósito destes chifres irreais era retratar os ferozes guerreiros do Norte como seres quase demoníacos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário