.

.

.

.

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Egus monumentalis

O latim é por minha conta e risco. Ego, aqui, não tem nenhuma conotação psicanalítica. 
A competição nunca parou. Desde que se nasce não se faz outra coisa senão competir. A competição é intrínseca e inexorável. Entretanto, mudaram muito, as formas e os conteúdos da competição.
Eu já fui obrigado a competir no campeonato da humildade, da generosidade, da sinceridade, da autenticidade, da honestidade, da verdade, do altruísmo, da abnegação e do amor.  Não alcancei as primeiras posições nesse campeonato obsoleto, mas foi razoável. Egus inflatus, tudo bem. Egus monumentalis, eu não aguento. É demais.
Hoje, em face dos arquitetos profissionais do ego, ocupo as últimas posições. Hoje, o campeonato é outro. Compete-se em hipocrisia, orgulho, presunção, mentira, preconceito, frivolidade, irreflexão, superficialidade, estupidez e mediocridade. Neste campeonato, faço esforços hercúleos para não cair na zona de rebaixamento.
Os que nasceram por estes dias são peritos na construção de monumentos ao Ego. Todos são os melhores em tudo. Quem ouve um adolescente falar, pode ter a impressão que está diante de um especialista em quase tudo. Os consulentes de oráculos tecnológicos, assumem destaques de semi-deuses e não sabem porra nenhuma.
Nessa olimpíada de monumentos, não vou fazer o jogo da maioria porque desprezo a maioria, não vou construir um monumento, vou fazer um puxadinho e não vou valorizar nem um pouco essa impáfia ridícula.
Monumentos não se relacionam. Monumentos, se alisam, se lustram,  se enganam, se estranham e nada mais.
Egos monumentais nos condenam à solidão, à masturbação e ao delírio psicopata de que somos muito importantes quando não somos merda nenhuma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário