.

.

.

.

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Felicidade obscena

Uma proposta indecente
Há exatos 3 anos e em cerca de 530 postagens, venho propondo o que quase ninguém quer escutar. Nem chega a se tratar de uma pregação no deserto porque eu não sou gurú nem profeta e transito no asfalto e na explosão demográfica. Portanto é muito pior que isso.
Eu afirmo a possibilidade de uma felicidade definitiva e isso soa com insanidade e absurdo. Pois não é.
O ser humano vive, para sempre parecer o que não é. Este é o corolário da existência. Tudo o que é projetado como FUGA da condição humana tem bilhões de seguidores. Eu tenho muito poucos leitores porque não os considero seguidores. Assusta-me a ideia de seguir ou ser seguido por alguém ou por alguma coisa. É uma questão muito pessoal.
O ser humano em qualquer latitude é um fugitivo de si mesmo por excelência. E tudo à sua volta conspira para facilitar a sua fuga. Desgraçamente não há nada que estimule a reflexão e a introspecção para coibir de alguma forma, essa fuga em massa de si próprio.
O que denominam felicidade, inscreve-se neste contexto de evasão. Pretende-se que só há felicidade  no caminho da fuga. Tudo favorece a fuga: a religião, o futebol, a procriação, o trabalho, a criação, as frivolidades, o sexo, as drogas lícitas e ilícitas, a política, o poder, as viagens compulsivas, os modismos, a publicidade, o casamento, etc, etc.
Para mim, fuga e felicidade são incompatíveis. O que se consegue com as fugas é outra coisa. Em geral, as pessoas ficam excitadas, contentes, alegres, motivadas, entusiasmadas, sentindo muito prazer, mas isso está muito aquém do meu conceito de felicidade. 
A minha felicidade se exerce nos limites estritos da condição humana e da metafísica. Eu sou feliz "apesar de" e nunca "porque".
A minha felicidade é fruto da minha lucidez  e não da minha alienação. Com muita frequência se associa alienação à felicidade. A felicidade que é fruto da alienação, da ignorância e da cegueira não é digna desse nome. Consultem os dicionários, por favor. 
Felicidade para mim, é concentração. Para a maioria, é dispersão. Nunca consegui ser feliz, disperso e fragmentado de mil maneiras. Nunca consegui ser feliz, diluído na massa e confundido com os outros. A minha felicidade está intrínsecamente ligada à minha identidade, à minha visão de mundo, ao reconhecimento  de quem verdadeiramente habita o meu âmago e à sintonia com esse antigo morador. 

2 comentários:

  1. > Boa Tarde amigo poeta e escritor, O que é felicidade? a felicidade é um sentimento difícil de ser definido pois cada ser Humano tem um conceito diferenciado sobre a própria felicidade.
    > Gostei muito do seu raciocínio e a forma como definiu sua felicidade, Um texto muito bem desenvolvido tenha um ótimo final de semana parabéns Abcos.

    ResponderExcluir


  2. 👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏

    ResponderExcluir