.

.

.

.

domingo, 13 de março de 2016

As redes sociais e o ciúme

UMA  LEGIÃO DE DESCONFIADOS 
Érica Assis, 27 anos, turismóloga, de Belo Horizonte, estava com o namorado havia seis anos quando começou a achá-lo distante. Indagado se algo estava acontecendo, ele negava. “Resolvi baixar um programa espião para descobrir sua senha do Facebook. Li conversas antigas e nada. Então entrei na página com ele online. Dito e feito: no trabalho, ele comentou com uma colega que ela estava bonita, a moça seguiu descrevendo os carinhos que faria nele e ele disse que estava excitado.” A história de Roberta Lordelo, 36 anos, auxiliar administrativa de Cruz das Almas (BA), também não teve final feliz. Na cama, logo após fazer sexo com o agora ex, deu uma olhada no que ele tanto digitava no WhatsApp. A mensagem: “Oi, tô com saudade”. “Ele confessou que conhecera uma mulher no site Badoo e que acabaram transando.”
Infidelidade sempre existiu, mas as redes e os aplicativos facilitaram a comunicação e os encontros – oficiais ou extraconjugais. Mensagens de WhatsApp chegam a ser usadas como prova de traição – o que aconteceu em 40% dos divórcios de 2014, na Itália, segundo a Associação de Advogados Matrimoniais do país. Felipe Lacerda, detetive particular em São Paulo, já perdeu a conta de quantos homens e mulheres o procuram desconfiados do que o parceiro faz na web: “Muitos me pedem para grampear o WhatsApp, o que é impossível”.
Os antigos flertes no escritório ou em qualquer ambiente que fugisse ao alcance de um dos parceiros hoje acontecem à vista de todos. Basta um follow (seguir), posts curtidos com insistência, comentários de interpretação dúbia. Quanto mais tempo o parceiro passa na rede social, mais inseguro o outro se sente. Compreensível. Diante da tela, as pessoas tendem a ficar mais desinibidas. Cara a cara é mais difícil, por exemplo, elogiar o usuário do aparelho de musculação ao lado. Já comentar a foto do corpão no Instagram... “Alguns pesquisadores afirmam que a internet cria um cenário sem equivalente no mundo offline (desconectado)”, diz o psicólogo Cristiano Nabuco de Abreu, coordenador do Grupo de Dependência de Internet do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, em São Paulo. “Fala-se em psicologia cibernética. Nossa personalidade digital tende a ser mais intensa e sexualizada, e as relações ganham intimidade bem mais rápido do que fora daquele ambiente.”
Além disso, pessoas do círculo social atual e antigo estão sempre presentes. “Antes, se o namoro acabava, você não tinha mais notícias do ex”, exemplifica o psicanalista Christian Dunker. “Agora, até seu primeiro amor está no seu Face, ao alcance de um clique.” O mesmo ocorre com o colega de trabalho, a vizinha simpática, a antiga cliente...
“O boom das redes mudou a dinâmica das relações”, afirma Cintia Cristina Sanches, psicóloga e colaboradora do Programa de Amor e Ciúme Patológicos do Hospital das Clínicas de São Paulo. “Mensagens postadas e o comportamento do parceiro em relação ao celular são os primeiros motivos apresentados por pacientes com queixa de ciúme.” Muitos buscam a terapia porque não aguentam a própria angústia. “Tive uma paciente que ia ao banheiro com o marido para se certificar de que elenão iria escrever para alguém e apagar depois”, conta Cintia. Segundo um estudo da Universidade de Guelph, no Canadá, as mulheres são as mais ciumentas nesse tipo de situação.
Flertes modernos
Nesse conturbado cenário online, nem todas as respostas para a pergunta “Estou sendo traída?” se resumem a “sim” ou “não”. As novas configurações trouxeram outros jeitos de se comunicar – inadmissíveis, na visão de alguns; e perdoáveis, para outros. São situações que pedem um exercício de interpretação. “Trocar uma intimidade erótica por meio de mensagens privadas e não ir além disso é ou não infidelidade?”, pergunta Dunker.
Nem todos que flertam digitando levam o romance para a vida desplugada. Há quem se satisfaça com o sexting – a conversa picante, ou sexo virtual. De acordo com um estudo feito em 2015 pela Universidade Drexel, nos Estados Unidos, com 870 participantes entre 18 e 82 anos, 88% afirmaram ter praticado sexting pelo menos uma vez – e, entre os comprometidos, 12% admitiram ter trocado esse tipo de mensagem fora do relacionamento.
Luana M., 29 anos, publicitária, de São Paulo, pegou uma conversa do então namorado no Skype com uma mulher. “Ela mandava fotos insinuantes e ele dizia coisas como ‘Queria encher esse pescocinho de beijos’ ”, conta. Como ele falou que aquelas conversas eram apenas diversão e que nunca passaram daquilo, ela relevou. “Só anos depois, quando uma traição se concretizou, terminei.” Ao ser surpreendida pelas conversas eróticas, Luana não achava que traições reais e virtuais tinham o mesmo peso. “Para mim, se excitar dessa forma era como ver um filme pornô. Mas não penso mais assim, porque, se me deixava triste, era tão desrespeitoso quanto se fosse físico.” Só nos Estados Unidos, quase 80% dos divórcios entre 2013 e 2014 foram motivados por cyber affair, relacionamentos comprometedores na internet que foram para a realidade ou não.
Cabe ao casal estabelecer as regras para o que considera infidelidade virtual. “Cada um vai definir seus limites e seu código moral”, diz Nabuco. Renata Maransaldi, psicóloga e coach, de São Paulo, costuma perguntar aos pacientes que tipo de relacionamento e de companheiro querem. “Tudo bem se ele paquera na internet ou deve ser alguém que não cultive esse hábito?” Saber as senhas um do outro ou mantê-las secretas também é algo a ser combinado.
Novos detetives
Stalkear é a palavra em inglês para investigar o que alguém anda fazendo na web. Para Renata, acreditar que é possível controlar os passos do outro é uma ilusão: “Mensagens são apagadas, históricos são deletados. O celular rastreado pode ter sido deixado na gaveta enquanto o dono sai ao encontro de alguém”. Antes de sucumbir à instalação de um programa espião ou fazer login no e-mail alheio, reflita se vale a pena invadir a privacidade do parceiro dessa forma. “Se você anda desconfiada ou se comentários recebidos ou feitos pelo marido na internet a incomodam, o diálogo franco ainda é a melhor saída."
Até porque, onde há fumaça, nem sempre há fogo. “Quem vigia os atos do amado geralmente age assim por causa de uma personalidade deprimida, insegurança e baixa autoestima, e é isso que precisa ser tratado”, lembra Cintia. Mas nem todos estão dispostos a essa autoanálise. “Muitas vezes, a obsessão preenche esses ciumentos, que não conseguem parar de procurar porque tiram algum gozo daquilo. Já tive pacientes que ocupavam o dia com isso e, quando descobriram a traição de fato, ficaram perdidos, sem saber o que fazer”, diz ela. O ciúme exagerado ainda traz sofrimento ao cônjuge. Que o diga Larissa Laviano, 28 anos, analista social, de São Paulo. “Ele mexia no meu celular enquanto eu dormia e desconfiava de tudo.” Várias vezes, Larissa chegou em casa e o encontrou mexendo no perfil dela no Facebook. “Então começava o interrogatório: ‘Essa postagem foi para quem? E esse comentário?’ Eu tentava acalmá-lo, mas não adiantava. Essa paranoia foi um dos principais motivos para o fim da relação.”
Assim, ao reconhecer um interesse fora do comum pela atividade online do parceiro (e vice-versa), vale propor uma conversa. Caso tudo esteja bem – ou se um dos dois, nas buscas que não resistiu a fazer, nunca encontrou nada de mais –, é saudável questionar qual a motivação para essa desconfiança. Entender o seu espaço e respeitar o do outro, tanto no modo online quanto no offline, são a base de uma relação madura.
Adaptado do MSN Brasil

Um comentário:

  1. Sabe aquela história do "Não adulterarás"? Pois é. Penso que vale a intenção. Já disseram que o Instinto Sexual é o mais forte. E daí? Também já foi dito que o Amor é o mais importante. Penso que o pivô está na intenção. Se já pensei em... Já o fiz! Traiu o outro? Não. Traiu-se.
    É isso, caro Joaquim. Um grande abraço e parabéns pela escolha do tema.

    ResponderExcluir