.

.

.

.

quinta-feira, 7 de abril de 2016

A diversidade monolítica

Temos toda a liberdade do mundo para sermos todos muito parecidos.
Joaquim Esteves

Não vou me alongar. 
Fala-se tanto em diversidade e no direito à diferença que eu, no essencial, no fundamental, não vejo  lá tanta diferença assim. 
Continuamos a ter que pedir permissão para pensar e como dizia Bertold Brecht, "o fascismo é uma cadela que sempre está no cio". As produções e as criações humanas tendem à padronização. Senão, prestem atenção nos carros: modelos quase todos iguais e quase da mesma cor. A cor predominante nas coisas e nos objetos é o preto - estamos de luto. A tão propalada diversidade sexual apenas revela e enfatiza uma obsessão generalizada e  quase Romana pelo sexo e pelo corpo. Haveria diversidade se também se dedicassem aos misteres da alma com a mesma tenacidade. Diversidade? A falsa diversidade leva-nos diretamente para o domínio da patologia e da decadência. Com a obsessão quase Romana pela comida (Masterchef) desaguamos no pântano da diversidade dos assim chamados, transtornos alimentares.
Não consigo ver essa diversidade toda. No máximo, o mundo continua maniqueísta e em dicotomia permanente. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário