.

.

.

.

sexta-feira, 27 de maio de 2016

A guerra dos egos

Eu que sou do tempo da guerra fria, começo concluindo que o ser humano não quer e não sabe viver em paz. É muito pouca coisa pra muitos vermes. 
Agora, tenho que me envolver na terceira  guerra mundial: a guerra dos egos. Vivo num mundo absolutamente gordo; almas infladas em corpos obesos.
Não queria me dar ao trabalho de encher a minha alma de ar só para poder entrar na guerra, mas a guerra está declarada. A continuarmos assim, também a alma vai fermentar e soltar flatulências. Não bastavam os flatos orgânicos, faltavam-nos os peidos anímicos. Como é deprimente viver numa sociedade que fede por todas as perspectivas e ainda destrói a camada de ozônio.
Hoje, falam em cibridismo, o preâmbulo da mais nova insanidade. Querem que eu viva na corda bamba entre o online e o offline. Eu não sou equilibrista e já não gosto mais de circos depois que tiraram os leões infelizes, angustiados e aos prantos.
O orgulho exacerbado e a vaidade extrema vão acabar com a espécie. Eu só quero cinco minutos antes do fim, para comemorar com Moët & Chandon, Épernay - France.

Nenhum comentário:

Postar um comentário