.

.

.

.

terça-feira, 11 de julho de 2017

Amor de cão

PET LOVE
O amor humano que sempre foi um sentimento raríssimo, parece que está em franca extinção. O homem não é apenas capaz de extinguir as espécies animais e vegetais que povoam este belíssimo planeta, ele também é muito competente para destruir o que é bom e sublime. 
Nunca a indústria dos pets arrecadou tantos lucros. Fecham-se livrarias e abrem-se academias de musculação e pet shops. A descrença no ser humano, ainda que não afirmada - vivemos uma época do tácito em que nada se pode dizer, mas quem for minimamente perspicaz pode compreender o que se passa - é gritante e extremamente preocupante.
Nunca vi tanta gente passeando cachorro e nunca vi tanta gente falando português com cachorro. Acho que vou lançar um curso de português para cachorros e vou enriquecer.
Eu adoro cachorros. Amo toda a natureza não humana, com todos os seus animais ditos irracionais e com toda a sua vegetação desprezada , mas não concebo esta substituição estratégica de seres humanos por cachorros.
O inquestionável afeto dos cachorros está muito longe do que ambicionamos como humanos. "Não tem tu, vai tu mesmo".
A carência afetiva que nos caracteriza teve que manobrar para nos livrar da sensação insuportável de solidão e desamparo. E ainda bem que existem os cachorros para nos salvar um pouco do abandono e da desilusão.

Um comentário:

  1. De pleno acordo! O pior de todo esse movimento são os donos de cães e gatos ou qualquer outro bicho tratando-os por filhos, e, logicamente, se autointitulando papais e mamães.Chegam ao cúmulo de beijar os bichos na boca. Quanto a isto, já presenciei situações constrangedoras. O lulu acabou de evacuar e deu aquela cheirada instintiva no monturo. Encostou boca e nariz. A seguir, foi para dona que o tomou no colo e o beijou na boca. Horror! Também gosto muito dos bichos, mas nunca esqueço de que são bichos e guardam cada qual a própria natureza.

    Abraços.

    ResponderExcluir