.

.

.

.

terça-feira, 17 de maio de 2016

Zoos humanos

A expressão zoo humano descreve uma prática cultural que prevaleceu nos impérios coloniais até a II Guerra Mundial. A expressão foi popularizada na França pela publicação em 2002 da obra Zoos humains, escrita por vários historiadores franceses especialistas nesse fenômeno cultural.
As exposições coloniais eram ocasiões onde o público da metrópole tinha contato com uma amostra de tribos expostas em situações forçadas num ambiente reconstituído.
No final do século XIX, não havia um único cidadão francês que não tivesse descoberto uma reconstituição "autêntica" desses ambientes selvagens, povoados de homens e de animais exóticos, entre uma exposição, a missa dominical e o passeio no lago.
Os zoológicos humanos, exposições etnológicas ou aldeias negras, continuam sendo assuntos complexos a serem abordados por países que exaltam a igualdade de todos os seres humanos.
De fato, esses "zoos", nos quais indivíduos "exóticos" misturados a animais selvagens eram mostrados atrás das grades ou em recintos delimitados a um público ávido de distração, constituem a prova mais evidente da defasagem que existe entre o discurso e a prática no tempo da construção dos impérios coloniais.
Hoje, em pleno século XXI, pode-nos parecer incrível e aberrante, mas ainda não há muito tempo, eram uma realidade nas principais cidades da Europa Ocidental. Em 1958, em Bruxelas, os Zoos Humanos eram uma atração para muitos visitantes que se consideravam oriundos de uma "raça superior".
Estas exposições geralmente enfatizavam as diferenças entre os europeus ocidentais e os povos não europeus ou com um estilo de vida considerado primitivo.
Aconselho o documentário Zoologicos Humanos.
https://youtu.be/IRYtkxMYogo

Nenhum comentário:

Postar um comentário