.

.

.

.

sábado, 29 de janeiro de 2022

As autorizações culturais para homens e mulheres

Estão quase todos enganados. A humanidade digere a blue pill há séculos e o resultado é uma grande disenteria mental.
Nunca se reprime o que é pobre e nunca se estimula o que é rico. Esta é uma premissa óbvia e essencial.
As mulheres são mais seletivas por natureza. A seleção de genes está muito além da racionalidade. Nos homens a disseminação de genes está muito além do viagra.
Independentemente disso, as mulheres não têm autorização cultural para manifestarem abertamente a sua sexualidade. Nas mulheres, existem dois controles para a exibição desembaraçada do sexo: o natural e o cultural.
O que poucos sabem é que as mulheres são verdadeiras super potências sexuais. A parafernália sexual feminina é espetacular.
Apesar dos impedimentos, as mulheres são as senhoras do sexo. Têm orgasmos múltiplos e com duração de 12,4 segundos. É mirabolante.
A sociedade só lhes deu autorização para mostrar sentimentos e emoções suspeitas. Associam às mulheres uma pieguice que não existe. As mulheres são iminentemente  pragmáticas.
No que diz respeito aos homens é o contrário. Portadores de uma sexualidade pobre e deplorável, a sociedade deu-lhes a autorização de ostentarem uma sexualidade muito poderosa. Isso é falso. Desgraçadamente, também os impediu de chorar e isso é uma crime.
Vivemos um ledo engano. Homens sexuais e mulheres sentimentais. Só falácias.
Os argumentos aqui explanados e desenvolvidos são válidos mesmo na pós modernidade.
As autorizações culturais e a biologia estão muito aquém da verdade.

sábado, 22 de janeiro de 2022

Com carinho e com sachê

Esta onda pet coincide com o maior desencanto pela espécie humana de que se tem notícia. Nunca vi tantos pets na casa das pessoas.
Na modernidade líquida, o ser humano que já era muito complicado e inviável, tornou-se insuportável e inviável.
Em todas as épocas, longitudes e latitudes, as relações humanas sempre foram e são relações de poder. Hoje, com os empoderamentos e coisas que tais, as arrogâncias desmedidas, os egocentrismos exacerbados e as masturbações em todos os níveis, vivemos o fim de uma vida social com o mínimo de sanidade.
A mim, por tudo isso e um pouco mais, coube-me a felicidade extrema de encontrar Felícia vagando triste pelas ruas da cidade.
Trouxe-a para casa e sem nenhum medo de lhe dar amor, delineei devagarinho um laço delicado de pura doçura e cuidado.
Passamos dias que deveriam ser monótonos, plenos de paz, meiguice e atenção. 
Deixei para trás a desconfiança e o temor que os humanos me produzem quando se trata de estimar e gostar.
Com Felícia vivo momentos de brandura e afeto contínuo porque em nós não há o sobressalto da dúvida, da covardia, do receio e da maldade pura e simples.
Felícia é feliz quando se esparrama no chão e me mostra a sua barriga linda e peluda e eu sou feliz, escrupuloso e sensato quando a acaricio e lhe dou mais um sachê.

sábado, 15 de janeiro de 2022

Os verdadeiros culpados

O criacionismo chega a ser ridículo e o evolucionismo não consegue ficar em pé. O que nos resta são novas especulações.
Quem foram os irresponsáveis que criaram o ser humano? Quem foram os levianos insensatos que conceberam um erro que não acaba nunca? Estou colocando no plural porque um ser único seria incapaz de tamanha trapalhada.
Simpatizo com as tábuas sumérias em escrita cuneiforme. Só alguém muito imprudente e insensível podia implantar um cérebro tão sofisticado num corpo primitivo e animalesco. O cérebro é incompatível com o corpo dos humanos.
Eu sei que vocês não prestam atenção nessas coisas. Eu presto e isso me interessa muito. 
Estou cansado de falar mal do ser humano que no final das contas, é a maior vítima desses deuses enlouquecidos.