.

.

.

.

sábado, 12 de setembro de 2020

A pessoa ideal e a falsa misericórdia institucional

Era uma vez uma anã, perdoem, um ser humano acometido de nanismo que foi vítima de assédio sexual na infância. Chamava-se Lívia. Era parda de baixo extrato social e econômico. Na adolescência, descobriu-se lésbica o que não impediu de ser estuprada por um colega de escola.
A gravidez que resultou dessa violação, submeteu-a aos horrores de um aborto legal à luz da sacratíssima legislação vigente.
Os conflitos familiares, a expuseram à crueldade humana e aos 20 anos de idade ela se tornou mendiga, desculpem, sem-teto.
Poderia continuar a narrar a desdita deste ser desafortunado, mas vou encerrar aqui esta história comum. Já consegui o que queria: estar diante de um ser humano desprovido de toda a dignidade.
Desgraçadamente, é sobre pessoas como Lívia que se exerce compulsivamente a misericórdia profissional. Não resolvem nada e se comprazem em falar e dar publicidade a esta biografia infausta.
Apesar da militância do politicamente correto e dos pseudo-novos ares da modernidade, está tudo muito pior.
Lívia continua na merda e os seus propagandistas passam por bons moços nesta era de profundos enganos.
Nunca fedeu tanto a preconceito quanto nestes tempos hediondos.
O preconceito recrudesce e se multiplica. Os defensores da modernidade impoluta não solucionam nada, absolutamente nada. Apenas se promovem às custas da miséria alheia. É inominável o que acontece nestes frescos tempos de gente vadia.

sábado, 5 de setembro de 2020

O Pré-preconceito contra os portugueses no Brasil

Eu não valorizo muito quem ainda caga nas fraldas. Acabem de nascer e marquem uma entrevista comigo.
Informo aos lactentes existenciais que o mundo não começou agora. Cabelos brancos não produzem sabedoria, mas ajudam muito.
Eu fui extremamente humilhado pelos Brasileiros durante estas cinco décadas em que moro no Brasil. Eu sou de uma época em que Brasileiros não emigravam para Portugal. O preconceito que foi praticado contra mim, antecede a asquerosa modernidade líquida.
Nos anos 70 ser Português no Brasil era como ser pária na Índia. Joaquins e Manuéis sofriam agruras infinitas nas mãos de um povo ressentido contra os seus colonizadores. O colonialismo não é hereditário. Quando Cabral desembarcou na Baía, eu não estava lá.
Tudo deve ser visto no seu DEVIDO processo histórico. Atenção, idiotas do mundo inteiro, eu repito: tudo só pode ser visto no seu DEVIDO contexto histórico. Entenderam? Não me encham o saco com a vossa estupidez.
O preconceito, hoje, é recíproco porque os Brasileiros emigraram para Portugal. Os portugueses têm preconceito contra os Brasileiros e vice versa. A babaquice é transcontinental.
Na minha época, não era assim. O preconceito era unilateral. Os Brasileiros menosprezavam e maltratavam os Portugueses e os Portugueses admiravam os Brasileiros.
Sofri muito neste país infeliz. Cheguei muitas vezes em casa com lágrimas nos olhos implorando aos meus pais para nunca mais voltar à escola.
O preconceito contra os portugueses no Brasil é um preconceito tabu. Ninguém fala dele. Especializaram-se nos preconceitos raciais e de gênero.
Se pudesse processava este país, à luz do Direito Internacional Privado por todas as feridas emocionais que carrego. Tenho provas irrefutáveis do que digo.
O Brasil me obrigou a ter vergonha do meu próprio nome.
Cansei de ser rebaixado e vilipendiado neste país que tem graves problemas porque nunca aceitou os pais que teve. Este país sofre de uma grave doença ancestral. E é por isso que a maturidade nunca chegará. Quem nega os pais que teve, será sempre infantil e o Brasil, todos sabem, é dos países mais pueris que existem.
Curem-se das vossas origens e deixem-me em paz.

sábado, 15 de agosto de 2020

Contra a prostituição

Eu sou contra qualquer forma de prostituição, principalmente a prostituição sexual. Acho que não se deve negociar com as necessidades do outro.  Percebe-se que eu não sou nem um pouco a favor do capitalismo. 
A prostituição tão decantada e tolerada é completamente imoral. Já pensou se você tivesse que negociar e eventualmente pagar a alguém, todas as vezes que você quisesse defecar ou urinar?
Hoje até existe a prostituição afetiva muito praticada no Japão. 
Eu não sou nem um pouco moralista, o meu padrão de conduta é que é  alto demais.

sábado, 27 de junho de 2020

Os preconceitos seletivos


Nesta asquerosa modernidade líquida, pretendem acabar com o que nunca terá fim: o preconceito. Não sou favorável nem cultuo o preconceito, mas é forçoso admitir que as culturas se alimentam de preconceitos e não existe ninguém na face da terra sem preconceitos.
O que parece podermos fazer é educar as pessoas no sentido de controlar e reduzir o número de preconceitos. Também me parece justo, não priorizarmos preconceitos. No Brasil, há um preconceito que já foi ostensivo e agora é tabu: o preconceito insofismável contra os portugueses. Acrescento este, à vasta lista de preconceitos que enxovalha e mancha este país. 

terça-feira, 21 de abril de 2020

A vagina como arma e mercadoria


Desde tempos imemoriais que a mulher é maltratada, vilipendiada e humilhada.
Com um intelecto privilegiado, aprendeu a duras penas a usar a única coisa que lhe restava para enfrentar a truculência dos homens: a vagina.
Imagino perfeitamente a condição da mulher na sociedade grega que era completamente homofílica.
Exímia estrategista, deu-se conta que também podia negociar os seus genitais.
Há séculos que faz parte do A.D.N. da mulher servir-se da seu sexo para guerrear e ganhar dinheiro.
É deplorável que a mulher tenha chegado a esse ponto. Mais deplorável ainda é que continue a valer-se da mesma tática em pleno século vinte e um.

quinta-feira, 9 de abril de 2020

A lisura na guerra dos sexos

Brevíssima análise fisiológica
Para que houvesse o mínimo de lisura na Guerra dos Sexos, as mulheres deveriam produzir testosterona em quantidades equivalentes às dos homens. Claro que eu sei que nunca há lisura em uma guerra, mas....
Todas as abordagens desta questão são antropológicas, históricas, sociológicas, psicológicas, etc
Eu recorro à fisiologia por que creio nas neuro-ciências e esta perspectiva me parece muito mais reveladora que o blá blá blá das disciplinas citadas.
A avassaladora enxurrada de testosterona produzida pelos homens os conduz à derrota nesta beligerância atávica e irrecorrível. E eu estou falando de desejo sexual mais ou menos urgente.
Obs: Um homem pode produzir até 800 nanogramas de testosterona por decilitro de sangue. As mulheres produzem no máximo 70 nanogramas. Os homens nunca vão ganhar esta guerra.

segunda-feira, 30 de março de 2020

A terceira guerra

A ditadura do Partido Comunista Chinês acaba de declarar unilateralmente a 3ª Guerra Mundial com uma arma de destruição massiva.

quarta-feira, 25 de março de 2020

Biópsia da inveja

BREVE EXAME ANATOMOPATOLÓGICO DA INVEJA

"Ninguém é realmente digno de inveja, e tantos são dignos de lástima!"
Arthur Schopenhauer

Desta vez, vamos começar pelo fim: O INVEJOSO É ANTES DE QUALQUER OUTRA COISA UM FRACO. A inveja e o ciúme são gêmeos heterozigóticos - o invejoso inveja o que é do outro e o ciumento o que julga ser dele. Aliás, nessa história de relacionamentos, podemos até nos Integrar, nos Entregar JAMAIS. 
Na biópsia da INVEJA, vislumbramos INVIDIOMAS benignos - todo o mundo é capaz de uma invejinha - o que me interessa no entanto, são as almas eivadas de INVIDIOMAS metastados. Você pode imaginar o que é isso? Alguém que cultiva e aduba a sua Inveja regularmente e vive para ser mais infeliz e para invejar. A Inveja já plasmou no seu cérebro uma bioquímica específica.
Ao contrário do que diz a pseudo-sabedoria popular, (sabedoria popular não existe; é puro mito) não acontece nada com o invejado. Essa história de olho grande não cola. É o invejoso que está na merda, é ele que é inseguro e sem amor próprio. INVEJOSO NÃO TEM PODER NENHUM. A merda não dá poder a ninguém. Então não te preocupes com os que te invejam. Reconheço que  a pseudo-sabedoria popular erra muito mais por estupidez que por maldade. 
Ninguém inveja quem está chafurdando na companhia de suínos. Se você é invejado é porque você está muito bem e vai continuar cada vez melhor; é só não acreditar nessa imbecilidade de sabedoria popular. Fique tranqüilo(com trema) com essas babaquices de olho gordo; na realidade, é olho magro, esquelético e com glaucoma. Olho gordo é o cacete!

quarta-feira, 4 de março de 2020

A fatalidade da fenda pilosa

Nenhum bom produtor de testosterona escapa à fatalidade da fenda pilosa. A fenda esconde uma verdadeira parafernália genital. Poucas coisas são tão exuberantes e complexas quanto a genitália feminina.
A fenda é sutil com efeitos totalmente devastadores.
E agora que a fenda nem é mais pilosa, agora que a fenda é depilada, nesta terceira onda do feminismo, assiste-se à completa desmoralização do falo.
A ginecocracia grassa  sem ética,  sem princípios e sem piedade.

domingo, 2 de fevereiro de 2020

Os investigadores do óbvio

Não suporto pessoas que diante das evidências cruéis da maldade insistem em averiguar o fato para tentar desesperadamente achar algo de positivo.

A grande farsa

Todos fingem não saber que o celibato com abstinência sexual na igreja católica é uma grande farsa.

quinta-feira, 30 de janeiro de 2020

O assédio sexual implícito

Uma mulher que se apresenta em público praticamente desnuda está assediando sexualmente. Isto até acontece em ambientes ditos formais.
Ninguém fala desta forma sutil de assédio sexual que eu denomino assédio implícito, sabendo-se  que a intenção sedutora é explícita.
É óbvio que ela é dona do seu corpo e faz dele o que bem entender. Em contrapartida, o homem, grande produtor de testosterona, não tem acesso, nem consegue controlar as centenas de nanogramas do hormônio que produz independentemente da sua vontade. Que fique claro.

sábado, 4 de janeiro de 2020

Vísceras conscientes rodando no espaço

Gostaria muito de saber qual foi o demônio que deu consciência às vísceras e as fez vagar no espaço?

Eu não pertenço a este mundo

Eu não pertenço a este mundo de gente carbo hidratada que não diz bom dia nem boa noite. Não pertenço a um mundo de gente que não me vê  e olha patologicamente para uma lanterna acesa que não ilumina nada.
Não pertenço a este mundo de gente punheteira que prefere a obscenidade da arrogância e da estupidez.  
Não pertenço a este mundo de gente que não entende porra nenhuma da arte de viver e virou coach existencial. Não pertenço a um mundo onde todos são brandos e iguais.
Não pertenço a um mundo de estética duvidosa de orelhas alargadas, roupas rasgadas, tatuagens e ferros no focinho. Eu não pertenço a um mundo de pessoas irrequietas, tristes e retardadas que riem  compulsivamente para uma platéia fantasiosa e falsa.
Eu não pertenço a um mundo de gente que não lê, que me obriga a mutilar a minha criatividade e me faz parar por aqui.