.

.

.

.

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

O novo autoconhecimento

Estamos quase sempre muito distraídos em busca de alguma coisa exterior e nada nos estimula a fazer percursos mais internos. No mundo ocidental, há um excesso de janelas abertas para vasculhar o alheio.
O olhar sobre o outro poderia ser útil e louvável, mas quase sempre é superficial, irresponsável  e fugidio. Não adianta muito olhar para fora. O que vemos, é na maioria das vezes, desagradável; isso para para quem tem olhos de ver. Aprender com o  adverso é uma senda budista que pode trazer muita felicidade.
No novo autoconhecimento, deveríamos juntar às práticas meditativas já apregoadas, as descobertas das neurociências e da medicina. Saber às quantas anda  a nossa serotonina e demais neuro-transmissores é fundamental para um autoconhecimento mais preciso e pragmático. A taxas hormonais não devem ser esquecidas, principalmente a testosterona que molda de forma decisiva o temperamento humano. O colesterol, a glicose e todas as outras informações hemogramáticas, também não devem ser negligenciadas.
As elocubrações da psicanálise deram lugar a informações mais precisas que determinam o nosso humor e o nosso comportamento. Não devemos nunca esquecer que somos uma programação química e cultural e que já é possível escapar a ambas, se quisermos.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Um mundo assustador

Daria muito para ser otimista, mas parece que o mundo não colabora nada comigo. Não bastassem as questiúnculas de praxe, agora temos novas questões graúdas que tornam este mundo ainda mais assustador.
Primeiro, a liberdade de expressão está seriamente ameaçada pela praga incontrolável do politicamente correto que se alastra como moléstia fatal. Não se pode mais dizer nada. Quase todos estão preparados para se ofender gravemente. Pouca coisa não melindra esta humanidade cada vez mais sensível e susceptível. Mas a sensibilidade de toda essa gente nunca chega a Alepo, na Síria, onde morrem centenas de crianças por semana. Quanta frescura! Quanta hipocrisia!
Para piorar o meu espanto, fervilham pensamentos incipientes e deveras confusos sobre o que chamam de gênero. De tanto ler sobre o assunto, eu não sei mais o que é gênero? O que é gênero, afinal?
Junte-se a este caos empobrecido, o ciberismo. Hoje, o pessoal ainda não tem sete vidas, mas já possui duas: a real e a virtual. Todo mundo extremamente conectado, num relacionamento suspeito com criaturas igualmente suspeitas e muito distantes. É tudo muito suspeito e esquisito
Nem queria falar do sentido de humor que também está muito comprometido, mas já que é para não ser lido, aqui vai um texto bem longo em homenagem especial a você.
Para piorar este quadro feérico e digno de Hieronymus Bosch, sobra-nos a arrogância, principalmente dos adolescentes. Todos sabem de tudo e um dos responsáveis é o Google e eu adoro o Google, mas não o uso como uma ferramenta de arroto e pretensão.
O epílogo deste livro de horrores, é o feminismo chiita. Qualquer coisa, por mais espontânea e desprovida de significado que seja, atinge mortalmente as mulheres. Eu não sou culpado das humilhações e dos maus tratos a que submeteram as mulheres ao longo de séculos. Eu não mereço esta vingança.
Hoje, querem fazer justiça instantânea e urgente a todas as minorias e não só, com ares de retaliação e revide. Não é assim que se faz justiça. Neste caso, o buraco nem chega a ser mais embaixo; o buraco é lateral
Cara, eu não tenho nada a ver com isso. Sou inocente nessa história de desforras, revanches e desagravos.
Aumentaram os predadores neste mundo inóspito. Os predadores sempre existiram. As seguradoras sabem muito bem o que é um mundo predatório e você também.
Falta inventarem um seguro novo para as novas ameaças. Reivindico um seguro contra a pós-modernidade.

sábado, 15 de outubro de 2016

7 costumes brasileiros reprovados em outros países

Hábitos culturais e regras de comportamento diferentes fazem muita gente queimar o filme em outros países. Veja algumas das mancadas mais comuns dos brasileiros que vão para o exterior!
1. Usar a mão esquerda para cumprimentar os outros
País – Índia

Aviso aos canhotos: nada de cumprimentar os indianos com um efusivo aperto de mãos. Ou melhor: se for fazer isso, utilize sempre a mão direita. Tudo porque, em muitos lugares da Índia – muitos mesmo, incluindo hotéis de boa qualidade –, não há papel higiênico. Bem, aí o jeitinho que os indianos inventaram para se limpar é usando a canhota a seco mesmo… Então, não pega bem estender a mão esquerda para alguém. Até mesmo pagar uma conta com ela é a maior sujeira… E é bom se acostumar, que na Índia ninguém usa muito talher para comer. A galera ataca o rango com a mão. Bem, pelos menos é com a mão direita!
2. Mostrar a sola dos sapatos
País – Iraque

Nesta época de guerra, gastar a sola dos sapatos no Iraque já é um mico… Mas a situação pode ficar mais explosiva se você exibir a sola. Deixá-la à mostra enquanto conversa com alguém é uma grande falta de educação entre os iraquianos. Se você for louco o suficiente para curtir as próximas férias por lá, nada de sentar com as pernas cruzadas naquele estilão despojado, com uma delas aberta, o que deixa a sola do sapato à mostra. O costume local pede que você mantenha as pernas unidas, como as mulheres fazem. Seus “companheiros lá de baixo” vão se sentir mais sufocados, mas é melhor ir se acostumando com o aperto…
3. Ficar tocando em alguém durante uma conversa
País – Bélgica

Se você faz o tipo superextrovertido, amigão de todos, procure controlar um pouco o entusiasmo quando for à Bélgica. Aqueles cumprimentos do tipo: “Como é que você tá, rapaz!”, seguido de um tapão nas costas, simplesmente não têm a ver com o estilo dos belgas. É um gesto incompreensível, porque não faz parte do costume dos caras. E sabe aquele colega de escola que insiste em pegar no seu braço enquanto conta uma história superchata? Fazer isso na terra dos melhores chocolates do mundo é pior ainda. Os belgas não gostam de ser tocados ou apalpados enquanto conversam.
4. Desfilar pelas ruas com um belo bronzeado no corpo
País – China

Exibir o bronzeado pode ser o máximo nas praias brasileiras. Mas pense duas vezes antes de pegar sol se você vai à China. Aparecer todo bronzeadão vai acabar com o seu moral. É que os chineses prezam a cor de pele mais “branca” possível. Racismo? Bem, tá mais para um lance de status social. Lá, ter a pele menos bronzeada é um sinal de prosperidade, pois indica que você não tem de trabalhar exposto ao sol, como muitos camponeses pobres. Imagine como os chineses ficariam confusos ao conhecer os “emergentes” da Barra da Tijuca…
5. Servir bebida alcoólica a si mesma (mulheres)
País – França

Haja machismo! As mulheres que são chegadas a um vinho, ou a qualquer outra bebida alcoólica, precisam segurar a onda na França quando tiverem vontade de se servir. Mesmo em encontros informais, em bares ou restaurantes, é considerada uma tremenda falta de educação pelos franceses a mulher abastecer o próprio copo de bebida. A missão cabe a algum marmanjo que a acompanhe ou que esteja por perto. Tá certo que costume é costume, mas não deixa de ser uma contradição isso ainda rolar no país da intelectual Simone de Beauvoir, uma das maiores feministas da história…
6. Passar a mão na cabeça de uma criança
País – Tailândia
Ao desembarcar na Tailândia, os brasileiros precisam controlar o sangue latino. Os tailandeses não se tocam quando se encontram. Eles apenas unem as mãos espalmadas e inclinam levemente o tronco, abaixando a cabeça. E por falar em cabeça… Evite arrumar uma confusão ao cruzar com uma criança na rua: lá, passar a mão na cabeça dos pimpolhos é uma ofensa. Isso porque o budismo – principal religião do país – considera que a cabeça é o lugar onde fica guardada a alma da pessoa. E nem adianta consertar dizendo que aquela belezinha é a cara da mãe. Os pais da criança já vão estar fulos da vida com você!
7. Chegar atrasado ou levar um amigo extra a uma festa
País – Suécia
Se você for convidado para uma festa na Suécia, não pense em levar um amigo junto para se sentir mais à vontade. Os suecos são bem formais e especificam no convite se você pode ou não levar alguém – simplesmente não haverá lugar na mesa para um penetra… E é bom manter o relógio adiantado. Para qualquer compromisso recomenda-se chegar cinco minutos antes. Os suecos também são duros com vizinhos barulhentos. Certa vez um diplomata brasileiro convidou um vizinho para a sua festa só para evitar reclamações. Não é que o cara foi, curtiu a festa, voltou pra casa e… chamou a polícia!
Estrangeiros também têm hábitos culturais que pegariam mal aqui no Brasil
Imagine você passar pelo pior boteco do seu bairro e ver dois rapazes alegres, de mãos dadas e com um sentado no colo do outro. Será que a birosca virou um point GLS? Bom, pode ser apenas um encontro de dois amigos nepaleses. Macho que é macho senta no colo um do outro no Nepal…
Na rua, do nada, um senhor de idade lhe mostra a língua. Antes de tirar satisfação, cheque se ele é do Tibete, região sob domínio da China. Lá, os mais velhos se cumprimentam desse jeito, pois uma crença diz que o diabo tem a língua azul. Ou seja, o velhinho pode ter só lhe mostrado que é uma pessoa do bem…
Recém-chegado à sua casa, o estudante do programa de intercâmbio devora o rango que sua mãe fez e solta um arroto monstro na frente dela… Se o visitante for um coreano, ele não quis fazer desfeita nenhuma. O arroto na Coréia é sinal de que a pessoa gostou e ficou satisfeita com a refeição…

MSN - Adaptação

sábado, 8 de outubro de 2016

Bastidores

Bastidores é um pluralia tantum que nomeia os corredores que contornam a cena, as coxias.
A coxia é o lugar situado dentro da caixa teatral - mas fora de cena - no palco italiano, em que o elenco aguarda sua deixa para entrar em cena em uma peça teatral. Trata-se de uma armação móvel de cenário, feita de madeira e pano, montada nas partes laterais do palco, para delimitar em conjunto com as bambolinas, o espaço cênico.
Por metonímia, chamam-se "bastidores" quaisquer espaços situados fora de cena, no qual os atores aguardam sua entrada na cena.
Sempre achei muito mais instigante o que não é dado ver, mas que existe. Sou fascinado por origens e etimologias.
No esconde-esconde social, de uns tempos a esta parte, deixei de acreditar nos meus sentidos e passei a crer na minha experiência. 
Para todos os que temem as inconveniências do envelhecer, eu declaro enfáticamente que foi a melhor coisa que me aconteceu na vida. Que bom que eu sobrevivi para usufruir do meu budismo informal  deste ínicio de pôr do sol da minha existência. E quando eu me extinguir, será com certeza uma extinção feliz com um lamento. Gostaria de continuar sempre até ficar muito, muito cansado.
Voltando aos bastidores, o que eu quero dizer, em síntese, é que se tomassemos conhecimento dos bastidores, se conhecessemos verdadeiramente a vida privada das pessoas e das instituições, não pararíamos nunca de nos surpreender e poderíamos chegar ao asco e até ao vômito.
E não me venham com a pseudo intimidade das redes sociais. Intimidade editada, é falsa, ridícula, tendenciosa e profundamente cansativa. Eu não aguento mais ser espectador da vida alheia sem pedir e sem querer. Está para breve o meu abandono do Facebook.
No Google+ ainda se lê. Salve os meus amigos de cultura hispânica do Google +. 

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Dos microorganismos a Einstein

O pudor é um sentimento em extinção, todavia, peço um pouco de pudor aos que deliram por compulsão. Em 3,5 bilhões de anos de pura, maravilhosa e óbvia evolução, o protozoário, o fungo, a bactéria e o vírus, tornaram-se Albert Einstein. "C'est simple comme bonjour."
O pessoal do Jardim do Éden, também não tem pudor. Adão e Eva, são protagonistas de uma das maiores  alucinações coletivas do ocidente. Sugiro menos desespero e mais aceitação para o que não tem sentido.
É possível flanar pelas avenidas do non-sens, se se aprendeu a viajar budisticamente pelas veredas reveladoras de si mesmo.

sábado, 1 de outubro de 2016

Texerofobia

Texto, vem do latim texere (construir, tecer), cujo particípio passado textus também era usado como substantivo e significava "maneira de tecer" ou "coisa tecida" e ainda mais tarde, "estrutura". Foi só lá pelo século 14 que a evolução semântica da palavra atingiu o sentido de "tecelagem ou estruturação de palavras" ou "composição literária" e passou a ser usada em inglês, proveniente do francês antigo "texte."
Inauguro mais uma fobia com um neologismo de minha autoria, nesta época de psicopatas e muitos transtornos. Num mundo em que o não gostar de alguma coisa ou de alguém é rotulado como fobia, acho que a fobia a textos é uma das mais deletérias. 
Aliás, como os pós-modernos podem ser tão arrogantes e pretensiosos se não leem absolutamente nada? De onde provém tanto "conhecimento"? Vivemos um momento histórico de muito orgulho e exacerbada vaidade onde sobram vácuos e flatos.
É deprimente, mas eu não quero antidepressivos; também quero poder ter o direito de lamentar e ficar triste. Abaixo os Tiranos da moda e do momento.

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

10 Estratégias de Manipulação

 COMO MANIPULAR PESSOAS
Noam Chomsky é um linguista, filósofo, cientista cognitivo, comentarista e ativista político norte-americano, reverenciado em âmbito acadêmico como “o pai da linguística moderna“, também é uma das mais renomadas figuras no campo da filosofia analítica.
“Em um estado totalitário não se importa com o que as pessoas pensam, desde que o governo possa controlá-la pela força usando cassetetes.
Mas quando você não pode controlar as pessoas pela força, você tem que controlar o que as pessoas pensam, e a maneira típica de fazer isso é através da propaganda (fabricação de consentimento, criação de ilusões necessárias), marginalizando o público em geral ou reduzindo-a a alguma forma de apatia” (Chomsky, N., 1993)
Inspirado nas idéias de Noam Chomsky, o francês Sylvain Timsit elaborou a lista das “10 estratégias mais comuns de manipulação em massa através dos meios de comunicação de massa“
Sylvain Timsit elenca estratégias utilizadas diariamente há dezenas de anos para manobrar massas, criar um senso comum e conseguir fazer a população agir conforme interesses de uma pequena elite mundial.
Qualquer semelhança com a situação atual do Brasil não é mera coincidência, os grandes meios de comunicação sempre estiveram alinhados com essas elites e praticam incansavelmente várias dessas estratégias para manipular diariamente as massas, até chegar um momento que você realmente crê que o pensamento é seu.
1. A Estratégia da Distração
O elemento primordial do controle social é a estratégia da distração, que consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mudanças decididas pelas elites políticas e econômicas, mediante a técnica do dilúvio, ou inundação de contínuas distrações e de informações insignificantes.
A estratégia da distração é igualmente indispensável para impedir o público de interessar-se por conhecimentos essenciais, nas áreas da ciência, economia, psicologia, neurobiologia e cibernética.
Manter a atenção do público distraída, longe dos verdadeiros problemas sociais, cativada por temas sem importância real.
Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem nenhum tempo para pensar; de volta à granja como os outros animais.
2. Criar problemas e depois oferecer soluções
Este método também é chamado “problema-reação-solução“. Se cria um problema, uma “situação” prevista para causar certa reação no público, a fim de que este seja o mandante das medidas que se deseja aceitar.
Por exemplo: Deixar que se desenvolva ou que se intensifique a violência urbana, ou organizar atentados sangrentos, a fim de que o público seja o mandante de leis de segurança e políticas desfavoráveis à liberdade.
Ou também: Criar uma crise econômica para fazer aceitar como um mal necessário o retrocesso dos direitos sociais e o desmantelamento dos serviços públicos. (qualquer semelhança com a atual situação do Brasil não é mera coincidência).
3. A estratégia da gradualidade
Para fazer que se aceite uma medida inaceitável, basta aplicá-la gradualmente, a conta-gotas, por anos consecutivos. Foi dessa maneira que condições socioeconômicas radicalmente novas, neoliberalismo por exemplo, foram impostas durante as décadas de 1980 e 1990.
Estratégia também utilizada por Hitler e por vários líderes comunistas. E comumente utilizada pelos grandes meios de comunicação.
4. A estratégia de diferir
Outra maneira de se fazer aceitar uma decisão impopular é a de apresentá-la como “dolorosa e necessária“, obtendo a aceitação pública, no momento, para uma aplicação futura.
É mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacrifício imediato. Primeiro, porque o esforço não é empregado imediatamente.
Depois, porque o público, a massa, tem sempre a tendência a esperar ingenuamente que “amanhã tudo irá melhorar” e que o sacrifício exigido poderá ser evitado. Isto dá mais tempo ao público para acostumar-se à ideia da mudança e aceitá-la com resignação quando chegue o momento.
5. Dirigir-se ao público como crianças
A maioria da publicidade dirigida ao grande público utiliza discurso, argumentos, personagens e entonação particularmente infantis, muitas vezes próximos à debilidade, como se o espectador fosse uma criança de pouca idade ou um deficiente mental.
Quanto mais se tenta enganar ao espectador, mais se tende a adotar um tom infantilizante.
Por quê? “Se alguém se dirige a uma pessoa como se ela tivesse a idade de 12 anos ou menos, então, em razão da sugestionabilidade, ela tenderá, com certa probabilidade, a uma resposta ou reação também desprovida de um sentido crítico como as de uma pessoa de 12 anos ou menos de idade.”
6. Utilizar o aspecto emocional muito mais do que a reflexão
Fazer uso do aspecto emocional é uma técnica clássica para causar um curto circuito na análise racional, e finalmente no sentido crítico dos indivíduos.
Por outro lado, a utilização do registro emocional permite abrir a porta de acesso ao inconsciente para implantar ou injetar ideias, desejos, medos e temores, compulsões ou induzir comportamentos.
7. Manter o público na ignorância e na mediocridade
Fazer com que o público seja incapaz de compreender as tecnologias e os métodos utilizados para seu controle e sua escravidão.
“A qualidade da educação dada às classes sociais inferiores deve ser a mais pobre e medíocre possível, de forma que a distância da ignorância que paira entre as classes inferiores e as classes sociais superiores seja e permaneça impossível de ser revertida por estas classes mais baixas.
8. Estimular o público a ser complacente com a mediocridade
Promover ao público a crer que é moda o ato de ser estúpido, vulgar e inculto. Introduzir a idéia de que quem argumenta demais e pensa demais é chato e mau humorado, que lhe falta humor de sorrir das mazelas da vida.
Assim as pessoas vivem superficialmente, sem se aprofundar em nada e sempre ter uma piadinha para se safar do aprofundamento necessário a questões maiores.
A idéia é tornar qualquer aprofundamento como sendo desnecessário. Pois qualquer aprofundamento sério e lúcido sobre um assunto pode derrubar sistemas criados para enganar a multidão.
9. Reforçar a auto-culpabilidade
Fazer com que o indivíduo acredite que somente ele é culpado pela sua própria desgraça, por causa da insuficiência de sua inteligência, suas capacidades, ou de seus esforços.
Assim, no lugar de se rebelar contra o sistema econômico, o indivíduo se auto desvaloriza e se culpa, o que gera um estado depressivo, cujo um dos efeitos é a inibição de sua ação. E, sem ação, não há questionamento.
10. Conhecer aos indivíduos melhor do que eles mesmos se conhecem
No transcurso dos últimos 50 anos, os avanços acelerados da ciência têm gerado uma crescente brecha entre os conhecimentos do público e aqueles possuídos e utilizados pelas elites dominantes.
Graças à biologia, à neurobiologia, à psicologia aplicada, o “sistema” tem desfrutado de um conhecimento avançado sobre a psique do ser humano, tanto em sua forma física como psicologicamente.
O sistema tem conseguido conhecer melhor o indivíduo comum do que ele conhece a si mesmo. Isto significa que, na maioria dos casos, o sistema exerce um controle maior e um grande poder sobre os indivíduos, maior que dos indivíduos sobre si mesmos.

Yogui.co
manipulacao-em-massa

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Qual é o seu nível de trauma?

O seu nível de trauma é fundamental para determinar a sua fé na humanidade ou a total incredulidade nos símios enlouquecidos.
São conhecidíssimos os traumas de infância fruto do contato com os nossos pais e com a família. Seguem-se outros traumas porque o contato com humanos pode traumatizar profundamente. Não pense que  a vida em grupo é inócua e gratuita. Tudo depende da quantidade de traumas que você acumulou.
Se alguém da sua família já foi vítima de uma bala perdida, de um erro médico, se você já foi traído pelo "amor da sua vida", se o seu colega puxa-saco já o delatou injusta e estupidamente, se os seus amigos já mentiram descaradamente e trouxeram com as suas mentiras, graves prejuízos emocionais, se você já viveu uma guerra civil e se tornou refugiado, se você já foi vítima de algum assalto, se você já caiu em alguma arapuca financeira, se o seu patrão já o humilhou diante de todos, se o seu irmão morreu no SUS por falta de atendimento, se o seu sócio o roubou indecentemente e você não tem como provar, se você já foi extorquido pela polícia, se já foi difamado pelo vizinho, se você trabalha demais, paga muitos impostos e vive na merda, se já foi a piada preferida dos seus maravilhosos companheiros de escola, se o preconceito já o atingiu com violência por ser diferente, tudo isso traumatiza mortalmente.
Qualquer forma de vida em grupo é uma furada. Continuará no meio do bando ou não ou mais ou menos, tudo depende de quanto a manada o feriu.
Saiba no entanto, que se o trauma for insuperável, você não é obrigado a conviver com os membros da sua espécie. Existem outras espécies no planeta. Os canários belgas, por exemplo, dizem que são muito amistosos.

sábado, 10 de setembro de 2016

O desejo sexual das mulheres

Muitos conflitos têm a sua origem na diferença. O desejo sexual feminino é de uma sofisticação desconcertante. São pouquíssimos os homens capazes de abarcar tamanha complexidade.
Podemos começar pela fisiologia que é crucial. Os 64 nanogramas de testosterona produzidos pelas mulheres nunca poderão ser comparados aos 800 ou mais, produzidos pelos homens. No meu ponto de vista, começa por aí o quiproquó. E nem vou falar do estrogênio que só as mulheres produzem porque dizem que esse é o hormônio da chatice.
Se à fisiologia adicionarmos toda a parafernália cultural que nos cerca, temos os dois elementos desta equação. (A cultura como já disseram por aí, é a nossa segunda natureza.)
No desejo feminino cabe quase tudo. Ela é capaz de erotizar qualquer coisa. Erotiza a inteligência do macho, o poder que ele detem, o dinheiro, o charme, etc. A mulher é a  virtuose do sexo. Ela é que entende do assunto. (Quase não existem sexólogOS. As sexólogAS praticamente monopolizam o mercado da sexologia.) ( Quase tudo o que existe nos porno-shops destina-se às mulheres.) O homem, ao contrário do que se pensa, é um ser muito pouco erótico. O primitivismo do desejo masculino pode levar os homens a situações de pura estupidez sexual. Já uma mulher muito primária nos seus instintos pode ser chamada de puta.
Sabedora do caráter elementar e do estado quase puro do desejo dos homens, as mulheres negociam como ninguém o prazer erótico. 
O desejo feminino custa mais a manifestar-se e para isso também existem razões biológicas, mas quando se manifesta  chega a ser surpreendente para homens educados, doutrinados e acostumados a supor  que eles são os reis do sexo. 
É conhecido o fato de que as mulheres custam mais a ir para a cama, mas uma vez instaladas nesse móvel mítico, de lá não querem mais saír.
É muito difícil para quem tem um brinquedo fácil e que arma muito rápido, entender a preguiça de um brinquedo que por ter tantas firulas deixa de ser brinquedo e passa a parecer uma coisa muito séria.

sábado, 27 de agosto de 2016

Cachorro - O humano alternativo

HOMO CANIS
É surpreendente, chocante e impressionante o horror que o ser humano tem a si próprio. O maior tabu desta sociedade, é sem nenhuma sombra de dúvidas a solidão. Quase ninguém acha significação em si mesmo. A necessidade e a dependência  do outro, patrocina qualquer absurdo e até promove cães à categoria de gente.
A domesticação do cão remonta a milhões de anos. O cão por ter tanta proximidade com o ser humano há tantos milênios, é quase humano.
O cão é um humano com muitas vantagens. A sua subserviência atrai todas as almas solitárias, sem exceção. Em Paris, a solidão da cidade luz é resolvida à base de lambidas e latidos.
Na falta de congêneres, serve qualquer um que se assemelhe. Não existe animal mais humano que o cachorro. O cachorro conhece profundamente a demagogia e negocia com o seu dono como gente grande.
Todos os mendigos que amargam os horrores do abandono, do preconceito e da exclusão, têm um cachorro. O cachorro ameniza a dor de estar absolutamente só no mundo. Mas afinal, ainda que ninguém queira escutar, isto é o essencial, o definitivo e o irrefutável da condição humana. 
Os frívolos que me perdoem, mas solidão é fundamental.
Chega a ser ridículo e muito patético, guindar um cão à categoria de humano e eu adoro cães. Calçar cães, vestir cachorros e falar com eles como se eles entendessem português, pode ser um sinal de grande desespero existencial. Por coincidência, o número de pessoas que opta por um humano alternativo, aumentou considerávelmente. 
Diante de um ser humano, cada vez mais intratável, intransigente, orgulhoso, inacessível e esquivo restam-nos os admiráveis cachorros.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Diálogo à brasileira

O EFEITO PARALISANTE DO DIÁLOGO EXCLAMATIVO IMOBILISTA HIPERCAPITALISTA NEOMEDIEVAL BRASILEIRO 

“Perinde ac cadaver”
LEIA EM VOZ ALTA  (Chame alguém para ler com você)
Brasuca Verde – Que Coisa!!

Brasuca Amarelo – Puxa vida!
Brasuca Verde – Incríve!
Brasuca Amarelo – Como pode!
Brasuca Verde – É........!
Brasuca Amarelo – Demais , né?!
BrasucaVerde – Pois é!
Brasuca Amarelo – E se .........
Brasuca Verde – Melhor, não.
Brasuca Amarelo – Mas , oh, ah ......
Brasuca Verde – Não adianta . Não adianta .
Brasuca Amarelo – É..... é ....Isso pode dá merda!
Brassuca Verde – É assim memo .
Brasuca Amarelo – As coisa tá brabo ,né?
Brasuca Verde – Tá .
Brasuca Amarelo – Como foi acontecê isso, rapá ?
Brasuca Verde – Sei lá !
Brasuca Amarelo – Ah, num esquenta .
Brasuca Verde – Náu...... náu...... Esquentar, eu? Náu ....náu .
Brasuca Amarelo – Pessoal stressado, né?
Brasuca Verde – Hu, huu, han ...hun, hun......
Brasuca Amarelo – O negócio é o seguinte: muita calma nessa hora .
Brasuca Verde – Tô contigo e num abro .
Brasuca Amarelo- É por aí . É por aí .
Brasuca Verde – Chá p´ra lá !
Brasuca Amarelo – Que se dane!
Brasuca Verde – É isso aí. Fazer o quê?
 

Obs: PERINDE AC CADAVER é expressão latina que se traduz COMO UM CADÁVER para significar a obediência irrestrita a alguém, da mesma maneira que um corpo morto, sem vontade, está sujeito ao comando alheio. É o lema dos Jesuítas, atribuído por Giuseppe Fumagalli a São Francisco de Assis. Tommaso de Celano afirmou que o 'poverello' propunha tal espécie de obediência mecânica aos franciscanos.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Viciados em pornografia

SINAL DOS TEMPOS
PORNOGRAFIA - O NOVO NARCÓTICO
Um número cada vez maior de homens jovens sofre de disfunção erétil, diz psicoterapeuta.
Jovens do sexo masculino, estão sofrendo problemas de saúde sexual, como a disfunção erétil, por causa do consumo exagerado de pornografia virtual.
O alerta é de uma das principais psicoterapeutas britânicas.
Segundo Angela Gregory, da Universidade de Notthingham, homens entre 18 e 25 anos são os mais suscetíveis a sofrer com o vício em pornografia online.
Ela acrescenta que grande parte dos acessos ao material pornográfico se dá por meio de celulares e laptops.
"O que eu vi nos últimos 16 anos, particularmente nos únicos cinco anos, foi um aumento no número de pacientes relatando problemas de saúde sexual", diz ela.
"No passado, homens com disfunção erétil que nos procuravam eram mais velhos e o problema estava associado a diabetes, esclerose múltipla ou doenças coronarianas. Mas essa situação mudou"- acrescenta.
Angela destaca que os pacientes mais jovens não apresentam nenhuma dessas doenças.
"Eles não têm nenhuma doença orgânica; já foram consultados por clínicos-gerais e tudo parece normal"- explica.
"Mas mesmo assim apresentam disfunção erétil. Por isso, uma das primeiras perguntas que faço aos pacientes é sobre o volume de pornografia que eles consomem, bem como seus hábitos de masturbação. Isso pode ser a raiz do problema para entender por que eles não conseguem manter uma ereção com seu(sua) parceiro(a)", acrescenta.

Vício

O britânico Nick (nome fictício) confessa que começou a consumir pornografia na internet quando ganhou seu primeiro laptop, aos 15 anos.
"Rapidamente, fiquei viciado. Via pornografia todos os dias", diz.
"Não havia nada que me estimulasse. Por causa disso, com o passar do tempo, passei a procurar conteúdo cada vez mais exagerado para conseguir ter uma ereção"- relata.
"Isso passou a prejudicar minha vida. Nunca sonharia em colocar em prática o tipo de pornografia que consumia"- acrescenta.
Não demorou muito para que Nick começasse a sofrer com problemas de saúde sexual.

Sem ereção

"Descobri que quando estava na cama com uma mulher, apesar de me sentir atraído e querer fazer sexo com ela, nada me excitava. Meu impulso sexual estava totalmente focada na pornografia".
"No meu ápice, provavelmente via pornografia online por duas horas todos os dias".
Quando percebeu que tinha um problema, Nick decidiu procurar ajuda.
"Tive uma consulta com uma médica e ela me disse que eu não tinha nenhum problema de saúde. Por outro lado, me falou que vinha ouvindo relatos similares de muitos pacientes com o mesmo problema."
Como parte de sua reabilitação, Nick passou 100 dias sem consumir pornografia virtual e ficou aliviado quando as coisas começaram a voltar ao normal.
"Minha libido voltou e encontrei uma menina. Foi ótimo"- conta.
"Pela primeira vez, fui capaz de flertar e depois de algum tempo fazer sexo normalmente".
"Me senti equilibrado e feliz".

Apoio

Depois de vencer o vício, Nick passou a oferecer apoio a outros usuários com o mesmo problema.
"Quando me recuperei, passei bastante tempo em fóruns na internet para ajudar outras pessoas que estavam passando pela mesma situação".
"Hoje, há muito mais informação disponível do que no passado".
"Você deve conversar com seus amigos, pessoas que estão próximas de você ou naquelas em quem você confia. Não se preocupe, há muitas pessoas no mesmo barco"- recomenda.
Adaptado de MSN On line

sábado, 20 de agosto de 2016

Frívolos e mimados


Recentemente Theodore Dalrymple publicou o livro "Podres de mimados" com prefácio do Luiz Felipe Pondé. Mais uma vez se aborda esta sensação insuportável que sempre existiu e que agora atinge o seu paroxismo.
Vive-se um desespero que Nietzsche chama de ressentimento. Todos acham que merecem muito mais. Todos, sem exceções, são fantásticos e maravilhosos e tudo melindra todos. Não se pode dizer mais nada sob pena de ser processado ou punido de alguma forma. Tudo pode ser pretexto para que o mimado arme o maior berreiro. Que saco!
Adultos de birra, fazem-me perder o tino. Qualquer crítica ou opinião dissonante é chamada de fobia. A sua simples opinião pode ser guindada à categoria de crime gravíssimo.
Gostaria de ser indiferente, mas a indiferença não faz parte do meu estilo. Detesto esta época cheia de nove horas e não me toques. Que gente babaca!
Nos anos 70, 80 e 90, chamava este comportamento de frescura. Hoje, esta prática cultural está disseminada, predomina e é institucionalizada pelo politicamente correto.  
Considerando a brevidade e o absurdo do ato de viver, é no mínimo ridículo, insultuoso e estúpido ter que conviver com gente tão fresca. Tudo o que não é chupeta é ofensivo. 
Não há nada mais difícil de suportar que crianças estragadas e podres por tanta pretensão e arrogância.
Para você que é mimadinho assim, deixo aqui o meu cordial "vá se foder."

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

O hino e o ânus do rei

QUANDO SUA MAJESTADE LOUIS XIV ADOECEU
Parece que uma vez, ao sentar-se no seu coche, Luis XIV ter-se-ia picado na ponta de uma pena da almofada do assento, a picada infectou e causou um pequeno abcesso no ânus que devia ter sido logo aberto e drenado.
Os médicos do rei, receosos de intervir nas bases da monarquia, optaram por um tratamento mais leve à base de unguentos. Este tratamento não deu qualquer resultado e ao fim de quatro meses o rei continuava com o abcesso e com dores insuportáveis.
Em meados de Maio os cirurgiões diagnosticaram uma fístula o que os deixou transtornadíssimos e finalmente o 1.º cirurgião, Félix de Tassy, decidiu-se por uma intervenção para abrir o abcesso. Para isso desenhou um instrumento especial, uma verdadeira peça de ourivesaria com lâmina de prata.
Mas foram precisos mais 5 meses para fabricar esse instrumento precioso.
A operação só foi feita no dia 17 de Novembro, sem anestesia, e foram necessárias mais duas intervenções porque foi muito difícil fechar a ferida para que pudesse cicatrizar.
Só no Natal de 1686 os cirurgiões declararam o rei como curado o que pôs fim aos rumores que no estrangeiro já corriam de que Luis XIV agonizava.
Como ação de graças foram rezadas muitas missas em todo o reino e as Senhoras da Maison Royale de Saint-Louis, em Saint Cyr (colégio interno feminino criado por Mme de Maintenon) decidiram compor um cântico para celebrar a cura do rei.
A superiora, Mme de Brino (sobrinha de Mme de Maintenon), escreveu os seguintes versos:
Grand Dieu sauve le roi !
Longs jours à notre roi !
Vive le roi. A lui victoire,
Bonheur et gloire !
Qu'il ait un règne heureux
Et l'appui des cieux!

Os versos foram entregues a Jean-Baptiste Lully para que este compusesse a música e as meninas de Saint Cyr passaram a cantar este pequeno cântico sempre que o rei vinha visitar o colégio.
Anos mais tarde, em 1714, o compositor Georg Friedrich Haendel, de passagem por Versalhes, ouviu este cântico e achou-o tão belo que tomou nota da letra e da música. Mais tarde, já em Londres, Haendel pediu a um clérigo chamado Carrey para lhe traduzir os versos de Mme de Brinon.
O padre traduziu-lhe de imediato a letra e escreveu estas palavras que iriam dar a volta ao Mundo:
God save our gracious King,
Long life our noble King,
God save the King!
Send him victorious
Happy and glorious
Long to reign over us,
God save the King !

Haendel agradeceu-lhe e dirigiu-se de imediato à Corte onde ofereceu ao rei - como se fosse de sua autoria - o cântico das Meninas de Saint Cyr.
George I, encantado, felicitou o compositor e determinou que daí em diante o "God save the King" devia ser sempre executado nas cerimónias oficiais.
E foi assim que este hino, que nos parece profundamente britânico, nasceu da colaboração:
- de uma francesa (Mme de Brinon),
- de um italiano naturalizado francês (Jean-Baptiste Lully - ou Lulli) ,
- de um inglês (Carrey),
- de um alemão naturalizado inglês (Georg Friedrich Händel - ou Haendel).
- do ânus de Sua Majestade Luis XIV.
De fato, um verdadeiro hino europeu!
Duas questões:
Se Louis XIV por acaso não tivesse enfiado uma pena no real traseiro, qual seria hoje o hino britânico?
Acham possível que a partir de hoje possam ouvir o "God save the Queen" sem pensar naquela pena?

sábado, 13 de agosto de 2016

Testosterona - A grande musa inspiradora

Se você é um romântico fundamentalista, se acredita fanáticamente que o amor romântico é a grande solução existencial, por favor, não leia este texto. Estas palavras não são adequadas à sua crença. Leia outra coisa.
O amor romântico está intrínsecamente ligado à testosterona. Só quem já teve variações na produção desse hormônio, poderá eventualmente me entender. E eu não procuro exatamente ser compreendido; isso é coisa raríssima no planeta.
Se misturarmos a testosterona à psicose estressante imposta à humanidade inteira do ocidente pelos alucinados dos séculos XVIII e XIX, inventores do amor romântico, teremos o resultado desta equação. Os românticos do século XIX conseguiram a proeza de transformar melancolia e doença em arte.
Poucos delírios coletivos sobreviveram tão intactos à passagem inclemente do tempo.
Definitivamente, amor, testosterona e desvario não combinam. Para mim, o amor é um sentimento supra-hormonal porque aprecio a seriedade e não gosto de brincadeiras de mau gosto.
Sou grato às décadas que enfrentei com a coragem de ser lúcido e fico satisfeito por não ter que morrer com mais esta ilusão; já bastam todas as outras que limitam os horizontes da minha louca caminhada. As neurociências libertarão muito mais ainda o ser humano de grande parte dos mitos que o povoam. Não há amor romântico sem testosterona.
Todos os poetas são grandes produtores de testosterona. Todos os compositores de música "pé na bunda" estão intoxicados de testosterona. O romantismo endêmico, nos impede de ver claro.
Homens amam mulheres e vice-versa ou homens e mulheres apenas obedecem à ditadura orgânica de miasmas viscerais devidamente temperados por pitadas fatais de práticas culturais espúrias? 
P.S. - Em tempo, as mulheres também produzem testosterona, até 64 nanogramas por decilitro de sangue. 

sábado, 6 de agosto de 2016

O declínio do erotismo

Representação de Cupido em "Resistência ao Amor", de William-Adolphe Bouguereau (1825-1905)
Começo por uma informação primordial. A testosterona produzida atualmente é 50% da que era produzida nos anos cinquenta. Para mim, isto é crucial e revelador. Na minha modesta e leiguíssima opinião, isso se deve, entre outras coisas, ao excessivo  consumo de sódio. O excesso de sódio reduz drásticamente os níveis de testosterona no organismo humano.
Eu sou de uma geração que eu poderia chamar de pré-sódica. Hoje, não há mais alimentos; há produtos alimentícios e a quantidade de sódio é assombrosa. Se você quer emagrecer e ter saúde, vá para a cozinha e faça a sua comida. No pós-modernismo líquido e neo-liberal, ninguém sabe mais o que consome.
Mas vamos ao assunto. Segundo pesquisa publicada esta semana na revista científica Archives of Sexual Behavior, a porcentagem de jovens de 20 a 24 anos que afirma não ter parceiros sexuais desde os 18 anos é de 20%. Em 1960, a porcentagem era de 6%.Não vou me alongar nas nuances da pesquisa.
Com a proliferação desenfreada da pornografia, principalmente made in USA, não são apenas as pessoas que não conversam mais; os corpos também não dialogam mais como antes. Não gosto nem um pouco desta época terminal, mas é nela que consigo alguma felicidade, apesar de tudo e apesar de todos.
Não resisto à grosseria de afirmar que este é o planeta-punheta. É difícil lutar contra a tentação de rimar e ser poeta...
A testosterona falta e a banalização sobra. Com pouca  testosterona e achando que Pokemon Go é mais interessante que sexo, caminhamos para a apatia e para o orgasmo desacompanhado. O erotismo é coisa do passado. Hoje fala-se com os ausentes e goza-se com as imagens de estranhos e desconhecidos. Que época esquisita!

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Vozes seletivas da solidão


Sim, minha força está na solidão. Não tenho medo nem de chuvas tempestivas nem das grandes ventanias soltas, pois eu também sou o escuro da noite.
Clarice Lispector
A pior solidão que existe é darmo-nos conta de que as pessoas são idiotas.
Gonzalo Torrente Ballester
Quem encontra prazer na solidão ou é fera selvagem ou é Deus.
Aristóteles
Educação para a vida deveria incluir aulas de solidão.
Mauro Santayama
A solidão é impossível, e a sociedade, fatal.
Ralph Waldo Emerson
Eu acredito no prazer da carne e na solidão irremediável da alma.
Hjalmar Soderberg
A liberdade é a possibilidade do isolamento. Se te é impossível viver só, nasceste escravo.
Fernando Pessoa
Sempre me senti isolado nessas reuniões sociais: o excesso de gente impede de ver as pessoas...
Mário Quintana
O amor começa quando uma pessoa se sente só e termina quando uma pessoa deseja estar só.
Leon Tolstoi
Amar é cansar-se de estar só: é uma covardia portanto, e uma traição a nós próprios (importa soberanamente que não amemos).
Fernando Pessoa
Nós nascemos sozinhos, vivemos sozinhos e morremos sozinhos. Somente através do amor e das amizades é que podemos criar a ilusão, durante um momento, de que não estamos sozinhos.
Orson Welles
A necessidade faz-nos habituar a estranhos companheiros de leito.
William Shakespeare
Que minha solidão me sirva de companhia.
que eu tenha a coragem de me enfrentar.
que eu saiba ficar com o nada
e mesmo assim me sentir
como se estivesse plena de tudo.
Clarice Lispector
Enquanto não atravessarmos
a dor de nossa própria solidão,
continuaremos
a nos buscar em outras metades.
Para viver a dois, antes, é
necessário ser um.
Fernando Pessoa
O que torna as pessoas sociáveis é a sua incapacidade de suportar a solidão e, nela, a si mesmos.
Arthur Schopenhauer
Somos uma sociedade de pessoas com notória infelicidade:solidão, ansiedade, depressão, destruição, dependência; pessoas que ficam felizes quando matam o tempo que foi tão difícil conquistar.
Erich Fromm
Na solidão é quando estamos menos só...
Lord Byron
E solidão é não precisar. Não precisar deixa um homem muito só, todo só.
Clarice Lispector
Quem foi que disse que é impossível ser feliz sozinho
Vivo tranquilo, a liberdade é quem me faz carinho.
Marisa Monte
Nunca me senti só. Gosto de estar comigo mesmo. Sou a melhor forma de entretenimento que posso encontrar.
Charles Bukowski
Ele supunha que era à solidão que tentava escapar, e não a si mesmo.
William Faulkner
Ninguém ignora que a poesia é uma solidão espantosa, uma maldição de nascença, uma doença da alma.
Jean Cocteau 

Solidão não se cura com o amor dos outros. Se cura com amor próprio.
Martha Medeiros
Não se pode fazer nada sem a solidão!
Pablo Picasso
O pavor da solidão é maior que o medo da escravidão: assim, nos casamos.
Cyril Connolly
Porque que sempre a solidão vem junto com o Luar?
Raul Seixas
A solidão desprende uma certa quantidade de desvario sublime.
Victor Hugo
A maior solidão é aquela que se dá não pela ausência de pessoas, mas pela indiferença da presença delas.
David Saleeby
Solidão é quando nos perdemos de nós mesmos e procuramos em vão pela nossa alma.
Chico Buarque
Solidão prolongada me ensinou a ser exigente. Quando me tornei minha melhor companhia, só me apaixonei por pessoas absolutamente incríveis.
Marla de Queiroz
Solidão?
sim, com gelo e limão.
Ingratidão?
não, obrigado.
Torquato Neto
Foi aí que a solidão deixou de ser involuntária para se transformar em escolha. E foi bom, está sendo bom.
Caio Fernando Abreu
A solidão é uma ótima oportunidade para se encontrar. Faça bom uso dela.
Bruce Lee
Aprenda a lidar com a solidão. Aprenda a conhecer a solidão. Acostume-se a ela, pela primeira vez na sua vida. Bem-vinda à experiência humana. Mas nunca mais use o corpo ou as emoções de outra pessoa como um modo de satisfazer seus próprios anseios não realizados.
Do livro Comer Rezar e Amar - Kelly Gimenes
O egoísta odeia a solidão.
Blaise Pascal
Tinha tanto medo de solidão
que nem espantava as moscas.
Mia Couto 

A sociedade enriquece a mente, mas a solidão é a escola do gênio."
E. Gibbon
Solidao é estar sozinho entre varias pessoas e sentir falta de apenas uma... voce...
Caderno de frases e Poesias Scarlat 

Na solidão, o solitário devora a si mesmo; Na multidão devoram-no inúmeros. Então escolhe.
Nietzsche
Solidão Não É Ausência De Afeto,Mas Ausência De Rumo.
Mike Murdock
A cidade não é a solidão porque a cidade aniquila tudo o que povoa a solidão. A cidade é o vazio.
Pierre La Rochelle
Se você sente tédio quando está sozinho é porque está em péssima companhia

Jean-Paul Sartre
Encontra a paz, quem se alimenta da solidão ao invés de ser consumido por ela.
Cleber Martins
A solidão só é fobia para aqueles que a não sabem povoar.
Luís Eusébio
Triste é viver só de solidão...
Los Hermanos
A solidão ouve os sábios e abriga os loucos.
Francis Cirino
A arte é o desespero da solidão.
Fábio Saitta
A solidão de um poeta é o encanto do leitor.
R.Kennedy
Não tenha medo da solidão, ela é a sua única certeza.
Ruthely O.
A solidão tem uma beleza incompreendida.
Esther Martins
Ninguém pode conservar sua solidão se não sabe fazer-se odioso. (E.M.Cioran, Silogismos da Amargura, Rocco,1991,pg.47

Cioran
Preciso da solidão
pra ser eu mesma.
Sh
A solidão só dói, quando alguém a rouba e depois te devolve.
Célio Montagna
O Poeta é o arquiteto da sua própria solidão.
António Botêlho Focinheira
A solidão é uma maravilha quando é uma escolha, mas um tormento quando é imposta.
Pâmela Bubols
A solidão verdadeira é o refugio da alma para evitar a loucura...
Alan Pierry
O temor da solidão alimenta a angústia de ser quem eu não sou...
Renato Araújo
A solidão só é maldita pelos que não a conhecem.
Pumpkin
O que é solidão se não um meio de se estar acompanhado dos seus próprios pensamentos.
Jessica M. 

A alma de um poeta respira solidão.
D' Souza
Não gosto da solidão,ela que gosta de mim..
GabrielyStefanny
A pior solidão é aquela que não se cura com amor próprio.
Danilo Felix
Os que tendem a lidar mal com a solidão costumam lidar mal consigo mesmos.
Hellius Czar Monzon

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Os novos bárbaros

Nos achamos tão livres. Como donos de tablets e celulares, vamos a qualquer lugar na internet, lutamos pelas causas mesmo de países do outro lado do planeta, participamos de protestos globais e mal percebemos que criamos uma pós-submissão. Ou um tipo mais perigoso e insidioso de submissão. Temos nos esforçado livremente e com grande afinco para alcançar a meta de trabalhar 24X7. Vinte e quatro horas por sete dias da semana. Nenhum capitalista havia sonhado tanto. O chefe nos alcança em qualquer lugar, a qualquer hora. O expediente nunca mais acaba. Já não há espaço de trabalho e espaço de lazer, não há nem mesmo casa. Tudo se confunde. A internet foi usada para borrar as fronteiras também do mundo interno, que agora é um fora. Estamos sempre, de algum modo, trabalhando, fazendo networking, debatendo (ou brigando), intervindo, tentando não perder nada, principalmente a notícia ordinária. Consumimo-nos animadamente, ao ritmo de emoticons. E assim, perdemos só a alma. E alcançamos uma façanha inédita: ser senhor e escravo ao mesmo tempo.
Como na época da aceleração os anos já não começam nem terminam, apenas se emendam, tanto quanto os meses e como os dias, a metade de 2016 chegou quando parecia que ainda era março. Estamos exaustos e correndo. Exaustos e correndo. Exaustos e correndo. E a má notícia é que continuaremos exaustos e correndo, porque exaustos-e-correndo virou a condição humana dessa época. E já percebemos que essa condição humana um corpo humano não aguenta. O corpo então virou um atrapalho, um apêndice incômodo, um não-dá-conta que adoece, fica ansioso, deprime, entra em pânico. E assim dopamos esse corpo falho que se contorce ao ser submetido a uma velocidade não humana. Viramos exaustos-e-correndo-e-dopados. Porque só dopados para continuar exaustos-e-correndo. Pelo menos até conseguirmos nos livrar desse corpo que se tornou uma barreira. O problema é que o corpo não é um outro, o corpo é o que chamamos de eu. O corpo não é limite, mas a própria condição. O corpo é. (…)
ELIANE BRUM

sábado, 30 de julho de 2016

Miméticos e proféticos

Os miméticos engrossam as estatísticas da maioria. Deve haver um grande prazer e conforto em imitar. Imitar para usufruir da recompensa enganosa de ser igual. Raros são os proféticos. São poucos os que se contentam com a mudança de cascas e indumentárias.
As massas se comprazem em arremedar e repetir. As massas fazem muito barulho e o barulho da multidão pode iludir os menos sensíveis.
Está tudo na mesma. No essencial, nada mudou. Para seres de superfície, qualquer movimento é sinônimo de mudança. Para quem  se diverte no fundo do poço, não há nada de novo sob o sol. 
Apesar de tudo o que fizemos, ainda somos como os moradores dessa Roma que não nos abandona. Somos Romanos tecnológicos e conectados. 
A verdadeira revolução redentora nunca aconteceu. O que pode mudar o mundo está no coração dos homens. Revolução digna desse nome, é de dentro para fora. Fora de nós acontece muita coisa; dentro de nós, está tudo praticamento intacto.
Os sentimentos têm a idade do homo sapiens. A inveja, o ódio, o egoísmo, a soberba, o orgulho, a vaidade, a ganância, a injustiça e a estupidez remontam à destruição do jardim do Éden.

terça-feira, 19 de julho de 2016

A cultura do silêncio

A hipocrisia emocional
Há muitos séculos que vigora a lei do silêncio. Existem assuntos-tabu como a morte, a fragilidade do humano, o non-sens do existir, a inveja e a felicidade, para citar apenas alguns. A espécie fugitiva sempre opta pelo que é frívolo. Prevalece a fobia fundamental a tudo que é essencial. Que bom que existe a metereologia e o futebol para evitar o silêncio e o mutismo das massas.
Atualmente, dentre os assuntos-tabu que sempre caracterisaram a falida civilização ocidental, está a felicidade. Supõe-se e é pura suposição, que está tudo bem e que o bem-estar impera. Hoje, problemas são sintomas de moléstia grave. Qualquer dificuldade emocional é trancada a sete chaves e proscrita.
Ao deduzirmos que todos são felizes, criamos uma profunda angústia em quem não é tão feliz assim. Nem todo mundo é capaz de atingir esse elevadíssimo padrão emocional. Eu não me surpreendo mais porque sei que a senha da convivência grupal é a mentira ou a omissão. E também sei que não há pior grosseria que a verdade.
Essa inócua felicidade facebuquiana provoca mais estragos do que se consegue imaginar. A felicidade teria que mudar de nome se fosse assim tão fácil.
Sugiro que parem com essa propaganda enganosa de felicidade absolutamente falsa. A felicidade gratuita dessa maioria mitômana, espalha muita infelicidade em quem vive por comparação e acredita nas balelas dos narcisos obscenos expostos indecentemente nessa pornografia contemporânea do sentimento.

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Solitude

Enquanto enchia minha farta taça de vinho pela segunda vez, já com os dentes e lábios roxos, dei-me conta de que a mesa a que me sentava estava vazia, exceto por mim. Na cozinha também havia ninguém, assim como em todo o apartamento. Sequer música se podia ouvir. Eu estava só e engolida pelo silêncio.
Por um segundo, incomodou-me um pouco que a ideia de que alguém, vendo aquilo, pudesse concluir ser um momento de solidão abandonada. O ato de beber sozinho carrega a história de escritores decadentes e amores de insucesso, conferindo ao álcool um comportamento ambíguo: consumido em grupo, serve para brindar a vida; já em isolamento, serve para afogar as mágoas.
Entre um gole e outro de vinho, a verdade me caiu como um estalo: entre mim e aquele líquido, havia nada além de glória. Não existia ânsia por companhia, tampouco sofrimento por sua ausência. Pareceu-me injusto que não houvesse na Língua uma palavra que expressasse a glória de estar só, mas felizmente o sociólogo Paul Tillich teve a cortesia de me apresentá-la. Solitude. As quatro sílabas dançavam em minha língua já meio dormente. “O idioma criou a palavra solidão para expressar a dor de estar sozinho. E criou a palavra solitude para expressar a glória de estar sozinho.” A Língua quase nunca desaponta.
Jobim inventou que é impossível ser feliz sozinho. Terceirizando a responsabilidade pela plenitude do espírito, criou-se o estigma do hedonismo acompanhado, de que a felicidade só é boa quando dividida. As redes sociais estão aí para perpetuar o sentimento: haja sorrisos, brindes, porres e bossa. Haja viagens, selfies em grupo, bares lotados e músicas entoadas em coro. Ficar sozinho parece coisa de gente humilhada e infeliz, mas talvez não suportar a própria companhia por um instante seja o autêntico sinal de infelicidade. Pessoas que têm hábitos como ir a cinema, beber, dançar e fazer compras sem companhia causam grande furor às demais, ainda que ninguém tenha a curiosidade de indagar se aquilo é ato intencional. Só que a balbúrdia costuma causar ilusão de felicidade e a verdadeira fuga pode residir aí.
É bem provável que uma vida inteira de solitude se transforme em solidão, mas é curioso como viver apenas em grupo cansa e chega uma hora em que tudo o que se quer fazer é correr dali para a calmaria do mar, que só é alcançada quando se nada para dentro. Solitude é uma opção, um deleite, uma vontade. Talvez sua graça seja saber que é facultativa e que, quando a alma pedir por compartilhamento, haverá pessoas queridas que ficarão felizes em oferecê-lo.
Necessário, portanto, ser forte e seguro para curtir a solitude, sendo a recompensa tanto simbólica quanto aproveitável. Basta perceber que grandes decisões e guinadas na vida costumam ser precedidas por momentos de recolhimento. Bastar-se não se restringe à negação das pessoas e do mundo, e, sim, saber que existir não depende necessariamente de alguém além de si.
Lara Brenner - Revista Bula

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Solidão e comunhão

Do gregário ao solitário
Na dosagem da solidão e da comunhão, quase todos preferem a comunhão. A ideia de comungar é sedutora e linda, embora esconda muitos dissabores.
Começamos comungando, mas comungar não basta e não é tudo na procura da felicidade.
A maturidade supõe saber viver dentro das fronteiras de si próprio. Quem passa por si mesmo, descobre que comungar não é obrigatório; pode ser opcional. E isso é muito bom.

sábado, 28 de maio de 2016

Curtidas - o novo valor que se alevanta

CURTIR
vtd 1 Tornar imputrescível e mais brando (couro, pelo); surrar. vtd 2 Preparar, pondo de molho em líquido adequado. vtd 3 Conservar em salmoura. vtd 4 Remolhar para extremar a parte filamentosa de (planta têxtil). vint 5 Fermentar: "O esterco curtia em um canto do curral." vtd 6 Endurecer pela exposição às intempéries. vpr 7 Tornar-se calejado, endurecido, insensível. vtd 8 Aguentar, padecer, sofrer: Curtir afrontas, censuras, penas. "Em tua dor curtiu angústia imensa" (Barão de Paranapiacaba). vtd 9 Passar ou viver sofrendo: "Grande parte de sua vida curtiu em longo exílio." vtd 10 gír Desfrutar com grande prazer: "Curtir um som." "Curtir a vida."

É interessante constatar as mudanças de sentido pelas quais a palavra passou. O Vtd 10 que é o sentido atual, é no mínimo inusitado e bizarro. Quem será que inventa e consolida os novos sentidos das palavras?
Hoje, não basta o Capitalismo onde o valor supremo é o dinheiro, você também tem que ser curtido pelos membros da sua espécie. A curtição não se limita a pequenos grupos como a família ou os colegas de trabalho, atualmente, você pode ter o prazer inefável de ser curtido pelo planeta inteiro.
Então, não basta mais ser apenas rico; você também tem que ser gostado. Rico e amado, eis o novo ideal, nesta época em que falecem todas as ideologias. A não ser que você compre as curtidas. Aí, só o vigora o capital.
É muita carência afetiva para pouquíssimos corações capazes de amar. O curioso é que você ( estou cansado de usar a palavra você) na grande maioria das vezes, será amado por desconhecidos; gente que nunca vai ver. Sempre lhe sobrará, no entanto, o poder e o privilégio de jogar na cara de todos, quantas curtidas teve.
Arranjaram mais uma solução fácil para a difícil arte de gostar. E quem não é assim tão curtido, como eu, por exemplo. Será que devo me sentir preterido pelo amor profundo desta humanidade tão cheia de sentimentos sublimes e magníficos? Será que devo entrar em profunda depressão e pensar na minha auto-extinção? Como invejo os que são tão curtidos. Ser curtido é ser feliz. Entendeu?
Neste mundo de tanta indiferença e de tão raros sentimentos nobres, qualquer besteirinha ilude os nossos egos entorpecidos e ávidos de amor e bem querer. Qualquer manifestação de amor postiço conquista o vazio dos corações aflitos. 

sexta-feira, 27 de maio de 2016

A guerra dos egos

Eu que sou do tempo da guerra fria, começo concluindo que o ser humano não quer e não sabe viver em paz. É muito pouca coisa pra muitos vermes. 
Agora, tenho que me envolver na terceira  guerra mundial: a guerra dos egos. Vivo num mundo absolutamente gordo; almas infladas em corpos obesos.
Não queria me dar ao trabalho de encher a minha alma de ar só para poder entrar na guerra, mas a guerra está declarada. A continuarmos assim, também a alma vai fermentar e soltar flatulências. Não bastavam os flatos orgânicos, faltavam-nos os peidos anímicos. Como é deprimente viver numa sociedade que fede por todas as perspectivas e ainda destrói a camada de ozônio.
Hoje, falam em cibridismo, o preâmbulo da mais nova insanidade. Querem que eu viva na corda bamba entre o online e o offline. Eu não sou equilibrista e já não gosto mais de circos depois que tiraram os leões infelizes, angustiados e aos prantos.
O orgulho exacerbado e a vaidade extrema vão acabar com a espécie. Eu só quero cinco minutos antes do fim, para comemorar com Moët & Chandon, Épernay - France.

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Entre dois mundos

O mundo esquizóide
No virtual, todos me amam e todos são felizes. Todos mostram o que lhes convem expôr. Todos me curtem e todos me marcam. No virtual, só palavras gentis - a gentileza é obrigatória. No virtual, se brigar com um, brigo com o grupo todo, brigo com o mundo inteiro. Tudo é público e escancarado e não há mais portas; há filtros. Todos empunham as mesmas bandeiras surradas e previsíveis. Todos perderam a timidez e se desnudam numa orgia existencial sem precedentes; o pudor já faleceu há décadas.
No real, nem um bom dia, nem um aceno de cabeça, nada. O real está ficando quieto e assustador. Quase todos debandaram para o virtual. O mundo fugiu para o Facebook e o meu mundo está deserto. 
Choro a morte do mundo e estou só nas ruínas do fim do mundo. Viver de mentirinha também é viver; esta é a nova ordem mundial. Falo com estranhos com  intimidade e  cerimônia. Os desconhecidos agora fazem parte do meu cotidiano. Amo e detesto gente que nunca vou ver na vida. Converti carência em arrogância e faço poses para a plateía. Vibro e  me regozijo quando a poderosa e sagrada internet nota a minha pobre presença.
Até há os que não sabem mais o que é carne e osso,  e têm uma ideia vaga da fisiologia. Projeto  imagens e pretendo ter relações humanas profundas com espectros. 
Comovo-me  e me enterneço com os rastros dos fantasmas cibernéticos. Resigno-me e me acovardo porque não tenho nenhum poder sobre as circunstâncias e  as tendências. Sinto que me tornei um produto e me dou ao sacrifício do consumo. Estou só num grande alvoroço e me empenho para me adaptar à esquizofrenia. Procuro gente e me contento com qualquer vestígio de humanidade.