.

.

.

.

segunda-feira, 21 de julho de 2014

NA CADEIA OU NO MANICÔMIO

Se neste planeta houvesse o mínimo de ética e sentido de justiça, 90% de quem detém muito poder político e econômico estaria na cadeia. Todo mundo em cana. Paradoxalmente, são essas mesmas figuras asquerosas que são reverenciadas e até endeusadas formal e repetidamente pelos malucos da maioria.
Só temos a versão oficial do que essa cambada é capaz de fazer. Todos os bastidores são hediondos e putrefatos. Nós nunca ficamos sabendo da nojeira total. Temos que esperar a ação da história para tomarmos conhecimento da merda feita. 
Se a psiquiatria fosse uma entidade independente, científica e eficaz deveria de ser capaz de diagnosticar os verdadeiros loucos. Para mim é muito claro que a psiquiatria  é a guardiã da normalidade a serviço do Status Quo. Quem os psiquiatras enclausuraram ao longo dos séculos? Seres inofensivos,  frágeis e dignos de misericórdia. Os grandes loucos célebres nunca conhecerem os horrores dos manicômios. Loucura e poder estão intrinsecamente ligados. No Terceiro Reich, o padrão de normalidade comportamental era o do próprio Adolf Hitler. A psiquiatria Nazista considerava louco quem não compartilhasse da visão de mundo alucinada de Hitler. Através deste exemplo podemos constatar que Psiquiatria e o Establishment se confundem e nos confundem.
Para minha felicidade, hoje, os manicômios estão mais vazios graças à Campanha Anti-manicomial. A psiquiatria é criminosa porque compactua com o poder estabelecido. Quantos indivíduos sabidamente loucos continuam soltos? A sociedade delegou à psiquiatria o poder de determinar quem é louco ou não. Se a Psiquiatria não sabe quem é o louco deletério e nefasto que comece a tratar do fígado. Que faça outra coisa. Dizem que é difícil diagnosticar a psicopatia. Então empenhem-se, estudem, pesquisem e parem com essa pose de que sabem de tudo quando não sabem quase nada ou se sabem se omitem. 
Fico muito puto quando assisto a esta punidade seletiva. O Brasil não é o país da impunidade, o Brasil é o país da punição seletiva. O código penal é para pobres. O código civil é para ricos. Digam-me por favor, como Maluf, essa excrescência paulista pode estar na rua? E tantos outros....
Como loucos de pedra podem continuar inventando, fomentando e impondo modismos, posturas e comportamentos? Como? E o pior é que todo mundo segue. Ninguém questiona porra nenhuma. Por exemplo: por que razão eu me tatuaria? Quero um bom motivo. Porque todo mundo se tatua, não serve. Porque está muito na moda, também não serve. Isto mais parece uma selva de macacos em que se um macaco começar a se coçar, todos o seguem sentindo cada vez mais coceira e alegria por serem todos iguais, irmanados pela coceira.
Temos que reavaliar o papel do judiciário e da psiquiatria não apenas no Brasil, mas neste mundo muito desigual, muito injusto e muito doido.  
P.S.- Há três décadas, se você visse um indivíduo todo tatuado, com ferrinhos no rosto, com alargadores de orelhas e tocando sem parar num negócio luminoso, o que você pensaria? Você não chamaria a polícia? Você não chamaria a ambulância do pronto-socorro psiquiátrico? Não? Tem certeza?

2 comentários: