.

.

.

.

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

ARTILHARIA SEXUAL

Artilheiras - As novas pistoleiras
Eu até entendo a razão pela qual em certas regiões do planeta, a artilharia sexual tem que ser moderada. Se não houver o mínimo de bom senso é fogo sexual para todos os ângulos. Fico abilolado e porque não dizer abestalhado, ao ver essa queima de fogos diária e excessiva. A mulherada não está mais soltando a franga; a franga é um animal frágil, ancestral e ridículo, a mulherada está soltando mísseis eróticos para tudo quanto é lado. Isto mais parece o Hamas Uterino sem fronteiras.
Sempre foi assim, mas na era dos excessos, a mulherada exagera. As mulheres são as maiores fogueteiras da galáxia. E depois de soltarem todos os projéteis, depois de lançarem todos os morteiros carnais, dizem que o negócio é o coração,  os sentimentos,  o afeto e outras presepadas mais. Artilharia, tudo bem, mas vamos assumir o estrondo dos petardos e não atribuir isso a outra coisa que não seja desejo sexual difuso, libido ou puro sexo, porra! Que caras de pau!  O curioso é que essa logística vem dando certo há milênios.
A artilharia está a serviço da  mulher e as indústrias bélico-sexuais faturam bilhões de dólares em armamentos cosméticos, cirúrgicos, estéticos, capilares, vestimentais, etc, etc.
O investimento é quase todo feito em sexo e depois queixam-se que os homens só as veem como objetos sexuais. Surpreendente e paradoxal! Claro que as mulheres também investem no capitalismo. Estão nas faculdades em maior número e como em tudo que fazem capricham na execução. Mas nos bancos escolares, continuam insistindo na única forma de sedução que conhecem: sexo.
Diante deste investimento absurdo em sexo e nas  recompensas sexuais diretas e indiretas, querem ser vistas como grandes intelectuais ou seres dotados de grande sensibilidade e nobres sentimentos. Não dá, né?! Assim fica muito difícil.
Não sei se vocês têm o que merecem, mas parece-me  muito lógico que vocês sejam vistas exatamente como se mostram.
P.S- Ressalve-se que como em tudo na vida, há exceções.

Nenhum comentário:

Postar um comentário