.

.

.

.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

SÓ PARA QUEM QUER SER FELIZ

POR ONDE A FELICIDADE PODE TRANSITAR
Nesta digressão sobre a Felicidade baseio-me em três pensamentos de diferentes autores. Tenha a paciência de ler.
1- "As pessoas se esquecem sempre que a felicidade humana é uma disposição da mente e não uma condição das circunstâncias".
John Locke

2-
3-

John Locke é um filósofo inglês que morreu no início do século dezoito. Jung, todo mundo conhece, eu suponho e Albert Guinon é um dramaturgo francês falecido em 1923. Guinon é muito conhecido pelos seus aforismos.
Seguindo a ordem, a felicidade é uma construção mental, é uma maneira de pensar. Pouco tem a ver com as coisas exteriores. Estou falando em Felicidade como aquisição definitiva. Não estou falando em excitação, contentamento, alegria, tesão, nada disso. Aliás, 75 por cento da população mundial é muito infeliz. Claro que esta estatística não é oficial. Este dado é fruto da minha observação de cerca de meio século. As estatísticas oficiais apenas reproduzem o que as pessoas dizem e as pessoas mentem ou dizem que são felizes porque seria muito complicado dizer que se é infeliz. Dizer que se é feliz é mais ou menos como dizer: -"Tudo bem." 
Mas se o cara estiver na miséria pode ser feliz?  O que está comprovado pela O.N.U. é que o indivíduo precisa de um mínimo material para ter bem-estar. Eles nem ousam utilizar a palavra felicidade, mas bem-estar. Então o mínimo são 10 mil dólares anuais. O que não significa que o cara que ganhe 11 mil dólares anuais seja mais feliz que o que ganha 10 mil. Trata-se do mínimo. ( Dez mil dólares é uma estimativa muito imprecisa que pode variar muito de país para país.) 
Locke desloca o foco para o interior quando sabemos que a maioria das pessoas fica esperando que a felicidade aconteça por razões exteriores. Essa postura mental não favorece nem o pouco a felicidade. Então a felicidade é construída por você, por mais ninguém. É obra sua. Não delegue responsabilidades, não seja infantil e preguiçoso. E para resolver o seu instinto gregário que é genético, basta-te uma pessoa. Você não precisa de uma multidão.
A frase de Jung é genial. Não tenho muito a comentar. Ela é excessivamente eloquente. A frase de Jung abraça a frase de Locke na medida em que remete e concentra a felicidade no interior da pessoa. Ao ler este texto, tente vivenciar e interiorizar o que eu estou dizendo. Caso contrário, não vale a pena. Procure sentir o que eu estou dizendo. Acabe com o vício da repetição. Repetição de frases, comportamentos e atitudes. Pare com isso. Você não é um orangotango.
O maior problema da humanidade é que as pessoas estão dormindo. E não querem ser despertadas. Eu por exemplo, faço muito barulho no intuito de despertar as pessoas. Se muitas pessoas estiverem despertas, eu terei muitos amigos. O difícil para mim é estabelecer uma relacão humana com alguém que dorme indecentemente na minha frente. Os valores confusos da sociedade baseados na religião e na tradição e os milhões de mitos que povoam os cérebros, fazem as pessoas roncar vergonhosamente. Aqui cabe uma frase do Che Guevara: " Quien abrio los ojos, no volvera a dormir tranquilo." Che abraça Locke e Jung e ainda há um outro que beija os anteriores, é José Saramago em " Ensaio sobre a Cegueira."
Por último, temos o Guinon que também traz a responsabilidade da felicidade à pessoa. Com certeza absoluta que a felicidade não vem dos outros. Você ainda não percebeu que as pessoas não estão nem aí p'ra você? Não? Preste mais atenção. Você só é interessante para o outro quando o outro pode extraír de você alguma coisa nem que seja o seu sêmen
A grande maioria das pessoas que conheço, vive tentando compensar a completa infelicidade tendo crises de alegria que como é óbvio não duram. Compram, casam-se, procuram pessoas como quem caça porque ainda não aceitaram que são sós, viajam com muita frequência, mudam de cidade, frequentam baladas e mais baladas, acumulam muito dinheiro, buscam desesperadamente promoções no trabalho, rendem-se aos ditames da vida familiar e nada disso as faz felizes. A perspectiva está incorreta a meu ver.
Se você não tiver coragem de mudar e a palavra chave é coragem, você não passa daí onde você já está. Covardes que repetem a vida inteira a mesma visão de mundo nunca serão felizes. O aparente conforto de pensar como todo mundo não faz com que você trilhe o caminho da felicidade. A coragem para suportar o preconceito que existe contra quem vê as coisas de maneira diferente é o segredo.
Então, tente seguir  esta prosaica sugestão de atalho e seja feliz.

2 comentários:

  1. Para acrescetar a esse abraço uma simples frase de
    Tolstoi: Se quer ser feliz seja.
    Hortencia.

    ResponderExcluir
  2. Muy interesante el análisis de la felicidad y las frases de Jung y Locke.
    Buen fin de semana.

    ResponderExcluir