.

.

.

.

sábado, 9 de abril de 2016

Como se chama o ditador?

Hoje, o respeito tem que ser na marra. Negros, crianças, mulheres, homosexuais, transexuais, nordestinos, pobres, deficientes físicos e mentais, etc, têm que ser compulsóriamente respeitados e poucas vezes se viu tanto desrespeito e indiferença.
O respeito é um dever, com certeza absoluta, mas definitivamente não começa pela linguagem. A linguagem existe básicamente para mentir ou representar o percurso da "persona". O buraco é muito mais embaixo; o buraco fica no subsolo recôndito da consciência humana.
Nesta ditadura difusa e anônima em vigor, respeita mais quem consegue ser mais hipócrita. Respeita mais, quem conhece o jargão falacioso desta época da qual nos envergonharemos um dia. 
A banalização do respeito segue o caminho do modernismo radical e tardio, onde quase tudo é frívolo, barato,  pueril, básico e superficial.
Para respeitar verdadeiramente um deficiente físico, não basta chamá-lo de portador de necessidades especiais. A mudança de nomenclatura é um remédio fácil e inócuo. É preciso muito mais que isso. É preciso que sejamos capazes de nos colocar no lugar dele e avaliar as suas dificuldades para viver num mundo feito para não deficientes. É preciso olhá-lo e vê-lo como protagonista de um drama. E em último grau, é preciso ter o dom de sentir compaixão ( cum patire- sofrer com) e de se comover.
Como pude comprovar, blá blá blá não é respeito; blá blá blá é blá blá blá.

2 comentários:

  1. É isso... Ter empatia.
    Grande abraço, Joaquim!

    ResponderExcluir
  2. Como sempre, você entendeu perfeitamente. Obrigado. Um grande abraço

    ResponderExcluir