.

.

.

.

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Entre dois mundos

O mundo esquizóide
No virtual, todos me amam e todos são felizes. Todos mostram o que lhes convem expôr. Todos me curtem e todos me marcam. No virtual, só palavras gentis - a gentileza é obrigatória. No virtual, se brigar com um, brigo com o grupo todo, brigo com o mundo inteiro. Tudo é público e escancarado e não há mais portas; há filtros. Todos empunham as mesmas bandeiras surradas e previsíveis. Todos perderam a timidez e se desnudam numa orgia existencial sem precedentes; o pudor já faleceu há décadas.
No real, nem um bom dia, nem um aceno de cabeça, nada. O real está ficando quieto e assustador. Quase todos debandaram para o virtual. O mundo fugiu para o Facebook e o meu mundo está deserto. 
Choro a morte do mundo e estou só nas ruínas do fim do mundo. Viver de mentirinha também é viver; esta é a nova ordem mundial. Falo com estranhos com  intimidade e  cerimônia. Os desconhecidos agora fazem parte do meu cotidiano. Amo e detesto gente que nunca vou ver na vida. Converti carência em arrogância e faço poses para a plateía. Vibro e  me regozijo quando a poderosa e sagrada internet nota a minha pobre presença.
Até há os que não sabem mais o que é carne e osso,  e têm uma ideia vaga da fisiologia. Projeto  imagens e pretendo ter relações humanas profundas com espectros. 
Comovo-me  e me enterneço com os rastros dos fantasmas cibernéticos. Resigno-me e me acovardo porque não tenho nenhum poder sobre as circunstâncias e  as tendências. Sinto que me tornei um produto e me dou ao sacrifício do consumo. Estou só num grande alvoroço e me empenho para me adaptar à esquizofrenia. Procuro gente e me contento com qualquer vestígio de humanidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário