.

.

.

.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

DO OUTRO LADO DO SERENGUETI

EXERCÍCIO COMPARATIVO

SERENGUETI
O ecossistema Serengueti é uma região na África Oriental, no norte da Tanzânia e sudoeste do Quénia, entre as latitudes 1 S e 3 S e longitudes 34 E e 36 E, cobrindo cerca de 30000 km².

No Serengueti, todos sabem que vigora a lei do mais forte ou do mais apto. Vocês já devem ter visto no Animal Planet ou no Discovery Channel. No Serengueti, a vida é dura. Bobeou, dançou. Do alto da nossa civilização maravilhosa, ficamos chocados ao vermos animais devorando animais sem dó nem piedade. Como é selvagem o Serengueti!
Do outro lado, estamos nós, civilizados, superiores, milagres da criação e cheios de marra. Aqui, não é como no Serengueti, ninguém devora ninguém. Temos um Estado fabuloso que olha por nós, com uma polícia não menos fabulosa que nos dá toda a Segurança. Pagamos vultosos e obscenos impostos para vivermos num oásis de felicidade. Ninguém nos come, só sexualmente, é claro. Que doce deleite!
Reina a fraternidade e a solidariedade. Não existem predadores e muito menos presas. Somos todos irmãos. Tomamos um banho de civilização a cada despertar para sorrirmos de dentes clareados para os lindos dias de sol que nos esperam no horizonte. Não nos comemos, saudamo-nos com bons-dias entusiásticos e cheios de amor.  Do outro lado do Serengueti, não estamos sós. Vivemos sob os auspícios da super-proteção. É inefável, viver deste lado. Primeiro deus nos protege, que lindo! Depois, a família também nos protege, que sublime! E não fica por aí, contamos com a proteção da coesa e bela sociedade humana.
Do outro lado do Serengueti, não há carnificina, apenas umas guerras bobinhas que dizimam milhões de almas. Por aqui, não há grunhidos, temos apenas e tão somente cantores de funk. É indizível, a beleza que nos  farfalha e acaricia os tímpanos.
Não temos inimigos na noite, porque tudo é  às claras com centenas de amigos no  feérico e esplêndido Facebook. Por aqui, não há hienas para nos perturbar o silêncio, somente sambas-enredo para nos levar a um mirífico êxtase. Não estamos ao relento, sujeitos à chuva e ao sol, só temos umas insignificantes enchentes que nos dão direito ao aluguel social. É estupendo!
Por aqui, os filhotes não morrem como no Serengueti porque contamos com o SUS para salvar-lhes a vida. Por aqui, não precisamos caçar, apenas trabalhar dia e noite, suportar todos os assédios morais do chefe, para depois enfrentarmos alegres a fila do Mundial ou do Extra sem ar condicionado.
Enfim, queridos irmãos e irmãs, coitados dos habitantes do Serengueti. Que deus  se apiede dessas Bestas Selvagens, dessa Selva Cruel onde cada um é por si.

2 comentários: