.

.

.

.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

TODOS EM BUSCA DO BÁLSAMO

Prefiro a antipatia da Realidade à beleza do Sonho. Sonhar nesta geografia inóspita da "modernidade líquida" pode ser um salto irreversível no abismo. Sonhar pra quê?
Todos nascem com a dor incerta e difusa da condição humana. A maioria nem sabe porque se sente assim. É uma espécie de erro grave de fabricação. Se há um criador, ele errou feio, nos ingredientes e na preparação.
Todos procuram alívio para a existência. Cada um sabe de si e todos nós pagamos com a angústia o preço da nossa quase liberdade. Todos buscam Bálsamo. Todos, sem exceção. Procura-se bálsamo nas coisas mais esdrúxulas. A sensação de poder pode ser um bálsamo. As drogas, as religiões, o futebol, a novela, o casamento, a procriação, a arte, o dinheiro, o consumo, o trabalho, enfim , tudo isso pode parecer aliviar.
Ainda há os que acreditam que alguém possa estar muito preocupado e aflito com a dor da nossa condição. Todos estão  muito preocupados consigo próprios. Isso é legítimo e assustador. Na verdade, o afeto é um intercâmbio de bálsamos. Sempre pleiteei um intercâmbio honesto, mas nem sempre é assim que acontece. Há muita trapaça neste campo.
Há quem consiga conceber que o bálsamo seja unilateral. Só se for o bálsamo da maternidade. E olha lá!
Na busca de bálsamo, que os outros não sejam a ampliação da dor, mas o acesso  facilitado ao bálsamo. Ou será que eu  estou sonhando de novo?

2 comentários:

  1. Bom dia nobre amigo poeta e escritor muito bem definido e interessante seu raciocínio uma belíssima explanação gostei tenha uma ótima quinta feira abcos

    ResponderExcluir
  2. Não, não penso que está sonhando, Joaquim.
    Penso que não há bálsamo que faça com que o ser humana reconheça individualmente a culpa e a vergonha que sente e deixando que a moral coletiva assuma a responsabilidade.
    A responsabilidade por pensamentos e atos é única e exclusivamente do indivíduo. Enquanto assim não fizermos, estaremos sempre esbravejando contra Deus e o mundo; colocando a culpa sempre no outro, embora o mais comum seja dizer que a culpa é do diabo.
    Diante do espelho deveríamos nos dizer: a culpa é minha, eu sou o único responsável pelo que penso e pelo que faço.
    Quando coletivizamos a culpa e a vergonha (a moral coletiva), estamos nos isentando da responsabilidade moral enquanto indivíduo.
    É claro que há muito mais a dizer, mas, eu fico por aqui.
    Um grande e fraterno abraço, Joaquim!

    ResponderExcluir