.

.

.

.

sábado, 2 de julho de 2022

Complementares e suplementares

Desde muito cedo nos incutem a ideia de que somos incompletos. Essa é uma das maiores mentiras difundidas no planeta. Mais falsa do que isso só a frase: "Gentileza gera gentileza".
Consumimos a nossa existência em dependências infindáveis. Procuramos o que tanto nos falta.
Esse pensamento infame de incompletude inexorável, já foi fomentado há 2400 anos no Banquete de Platão. O célebre discurso de Aristófanes faz a apologia do inconcluso, do mutilado, do deficiente. Essa passagem também é conhecida como o mito das almas gêmeas.
Que não se confunda nunca complemento com suplemento. Complemento é uma parte essencial que falta. Suplemento é algo mais, é um extra.
Perdi décadas da minha vida em busca de complementos, em busca da companhia que não existe porque sou só. 
Hoje, não quero mais ser complementado. Eu sou completo como sempre fui. E isto não é arrogância nem auto-suficiência, isto é um libelo contra as dependências e a infelicidade.
Eduquem os seres humanos para a autonomia. Instruam as pessoas para refletirem e para se descobrir. Convençam os habitantes deste planeta que a felicidade tem a nossa impressão digital e se fabrica no nosso próprio âmago. A felicidade não vem a nós; a felicidade vem de nós.
Se as pessoas são incapazes de produzir felicidade genuína nas suas mentes ímpares e singulares, isso é outra história.
Amores e amigos são suplementos e suplementos eu sempre aceito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário