.

.

.

.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

A LÍNGUA DE CAMÕES

Eu nasci com o verbo HAVER. Eu sou do tempo do verbo Haver. Hoje o verbo TER tomou o lugar do HAVER. Os gramáticos chamam isto de Hibridismo Sintático. No Brasil, talvez em função do clima, a gramática ficou à vontade. Aqui a gramática da Língua Portuguesa começou a tirar a roupa. Tudo bem. Só não vale ficar pelada. Com freqüência, a gramática da língua portuguesa no Brasil fica Peladona. Vão tirando os pronomes, todos, vão se livrando do subjuntivo, todos, vão jogando fora as concordâncias, todas, e aí todos os Ss dançam, todos.
Prefiro uma língua bem vestida. Não gosto muito de línguas obscenas e safadas onde tudo é permitido. Vamos tirar a roupa, mas não há nenhuma graça em ficar pelada. Uma língua pelada perde muito da sua beleza, mas o importante no Brasil é apenas comunicar. Eta comunicação sem vergonha! Não vamos AVACALHAR, com o ruminante perdão da herbívora Senhora.
No Brasil, há muito que já não se fala português; fala-se brasileiro. A prova disso é que entrevistas de José Saramago são legendadas. Isso para não falar dos filmes, das reportagens. Daqui a um século o brasileiro será considerada uma língua neolusitana. O português de Portugal está dando origem a muitas línguas, o angolano, o moçambicano, o caboverdiano, etc.
Falar bem, não é um valor por aqui. A lingüística encoraja a nudez do português. Esse strip-tease linguístico me choca um pouco pois tenho sólida formação moral e gramatical. Tenho pudor lingüístico. (Por isso coloco até trema.) Fico vermelho quando ouço: "Ele matou ela."  Sou louco por um pronome e me amarro num Subjuntivo.

3 comentários:

  1. Para dar continuidade às preocupações sobre o trato que vem sendo dado à língua de Camões, aguardo comentários sobre o recente assassinato do Velho do Restelo, aqui no Brasil.
    Delia Cambeiro

    ResponderExcluir
  2. Camões, nem sabes o que te farão!!! Vão colocar o teu celebradíssimo Velho do Restelo na lama. Logo ele, voz dos que pensam e conseguem ver muito mais adiante dos antolhos (ou anteolhos, em honra de Camões) de quem não sabe do que se trata. Lamentável.
    Delia Cambeiro

    ResponderExcluir
  3. Obrigado Délia pelos teus comentários

    ResponderExcluir