.

.

.

.

sábado, 16 de novembro de 2013

A SOBERANA DE VAGINÓPOLIS

A Presidenta Virgínia de Carvalho Pinto
Situada no planalto meridional, Vaginópolis, capital da República Democrática Feminina, R.D.F., é conhecida internacionalmente por suas práticas democráticas e pela sensibilidade da sua Presidenta Pinto. A capital  que não é nada monótona, caracteriza-se pela diversidade dos tons de rosa. Cinquenta e um tons de rosa. Apenas cinquenta e um.
Obra-prima do grande arquiteto feudalista Adamascar Erlenmeyer, Vaginópolis cognominada de República das Mulheres, florescia literalmente no imponente planalto meridional. Todavia, ao assumir o poder que lhe foi doado e transmitido por um Cefalópode invertebrado de  nome Calamar da Silva (Calamar da Silva era um ser edipiano que por isso mesmo supervalorizava as mulheres) também conhecido como "o ceguinho" por nunca ver o que todos viam, a Presidenta Pinto extinguiu por  decreto todos os mictórios do país. A Presidenta Pinto implantou assim a Ginecocracia na R.D.F.
Mictórios padrão de Vaginópolis
O mictório, símbolo inconteste do poder masculino era definitivamente banido da República Democrática Feminina. Em pronunciamento solene à nação a Presidenta Pinto entre outros argumentos anti-mictoriais, ressaltou a maior vantagem de urinar sentado: segundo os cientistas do CNPV da R.D.F, urinar sentado relaxa sobremaneira toda a musculatura do sacro-cóccix.
Alegres moradores de Vaginópolis em trajes simples
Os infratores se aglomeravam nas instalações penitenciárias de Vaginópolis. A vida em Vaginópolis se resumia numa caça aos mijadores eretos. Muitos amargavam horrores nas masmorras de Vagi.
Em contrapartida, todos os banheiros femininos foram equipados de duchinhas para fazer o que todos já sabem. Em entrevista coletiva, a Presidenta Pinto afirmou que as duchinhas constituíam a evolução do Bidê. Vaginópolis era adepta das novas tecnologias e das atualizações automáticas.
A imprensa falava em Golpe de Estado. Os militares insatisfeitos urdiam uma reação à Presidenta. "Militar que se presa não mija sentado", diziam. A indignação era geral por parte da população masculina.
O Ministério das Excreções-Gerais emitiu um pacote de medidas para aplacar os ânimos  dos exaltados. O Ministério da Cultura promovia variadas atividades para divertir os homens como concursos de misses.
Concurso de Misses em Vaginópolis
A Presidenta não cedia. Declarava peremptóriamente que jamais em Vaginópolis se urinaria de pé. Se ela que era a Presidenta não conseguia fazer xixi de pé, como ousavam desafiá-la. Até Ban Ki-Moon aquele inútil da ONU, interveio no sentido de se achar uma conciliação nacional para o mijo.
Sofá padrão do Palácio de Vaginópolis
Não sei como terminou esta história. Entretanto, ficou bem claro para mim que não se trata de uma questão de gênero. Trata-se da relação do ser humano com o poder. Os homens no poder são uma calamidade e as mulheres uma catástrofe. O que é que você prefere, uma calamidade ou uma catástrofe? Escolha.

Um comentário:

  1. O Ministério das Excreções Gerais foi a grande tirada!!!!
    Da amiga Delia

    ResponderExcluir